EntrevistasRoadie News

ANGRA – Multiverso de criatividade

Viagem no tempo, inteligência artificial e participações especiais e inusitadas: a riqueza de ideias em ØMNI por Rafael Bittencourt e Felipe Andreoli

A entrevista de capa da ed. #229 da ROADIE CREW leva o amigo leitor ao mundo de ØMNI, o novo disco do Angra, através do papo com Rafael Bittencourt e Felipe Andreoli. Mas a conversa com os dois músicos foi longa e frutífera, então as seis páginas da revista precisavam de uma continuação para que o conceito do álbum pudesse ser absorvido da melhor forma possível. Aqui você encontra todo o restante do bate-papo sobre o nono trabalho de estúdio da banda – completada por Fabio Lione (vocal), Marcelo Barbosa (guitarras) e Bruno Valverde (bateria) – e outros assuntos igualmente interessantes. Portanto, o segredo é simples: devore as páginas da revista, depois mergulhe no site. De preferência ouvindo as 11 músicas de ØMNI em ‘loooping’. Mãos à obra e boa leitura.

ØMNI é um disco conceitual que mistura realidade e ficção de maneira mais complexa do que se imagina. Então podemos começar explicando a história
Felipe Andreoli: É um conceito idealizado pelo Rafael, baseado em várias pesquisas que tem feito. Ele criou o conceito unindo todos os elementos, como geometria sagrada, ficção científica e viagem no tempo, e unindo também os elementos às histórias de outros discos do Angra, mais precisamente Holy Land, Rebirth e Temple of Shadows, para juntar todos eles numa só história. O Rafael pega várias doutrinas, bate no liquidificador da cabeça dele e encontra uma coerência entre todas elas. Isso pode não refletir a religião de cada um dentro da banda, porque temos crenças diferentes, mas no fim faz muito sentido. É uma mistura de religião, filosofia e ciência que criou uma história muito legal, e uma que não acho impossível vivermos ainda neste século. Como nos comunicarmos com pessoas de outras dimensões ou de outras épocas. São situações intocáveis para nós agora, mas que estão sendo estudadas no campo da ciência, astrofísica, astronomia e física quântica. Ele escreveu todas as letras, que contam diferentes partes dessa história, então é o cara ideal para falar como o conceito se desenvolveu.

E como foi o desenvolvimento da ideia que culminou no conceito do ØMNI?
Rafael Bittencourt: Eu li muita coisa sobre hinduísmo e meditação, por exemplo. À época, lembro-me que a banda estava divulgando o Aqua e depois teve problemas de formação, então eu anotava várias coisas num caderno, mas era algo muito pessoal. Quando fizemos o Secret Garden, optei por outro tipo de história, mais realista e pontual, sem caráter épico. Quando começamos a trabalhar no ØMNI e as músicas estavam tomando forma, peguei meus cadernos porque em todas as épocas criativas eu resgato as ideias que tenho guardadas, minhas linhas de raciocínio. A todo instante estou fazendo desenhos e anotações, até em bloquinhos de hotel, e guardo tudo, afinal, não sei o que pode valer a pena mais para frente. (N.R.: Rafael mostra várias folhas com imagens e frases, incluindo alguns numa folha do Radisson Hotels & Resorts) Este aqui tem uma reflexão sobre como fazer um cruzamento de ideias, então desenhei esse esquadro, escrevi quatro ideias e fui criando um sistema geométrico para que as ideias se cruzassem de maneira mais ou menos equilibrada. Este outro tem um quadrante como se fosse Yin e Yang, e separei dentro dele tudo o que não se vê e não se pode tocar; tudo o que se vê e o que se pode tocar; e tudo o que não se vê, mas se pode tocar. Aí você pensa na emoção, que é abstrata e se aproxima da realidade, e por aí vai. Esses papéis e cadernos são a minha linha condutora quando reflito sobre algo, se quero falar de amor ou se vejo na TV alguém que atropelou uma mulher e fugiu, porque imagino dentro desse quadrante o que eu falaria para essa pessoa. Quando faço isso, todos os assuntos dentro do quadrante se conectam porque dou uma linha condutora a eles. A conexão existe na hora de bolar um título, e o nome vira uma síntese. Não usei esses exemplos no ØMNI, que é um sistema que vinha criando faz bastante tempo, mas tem a ver com a metodologia de trabalho que elaboro na minha mente e vou usando para ter assuntos. Tenho algo chamado diálogos internos, porque converso muito comigo mesmo, mas imaginando que estou falando com outra pessoa. Por exemplo, estou com raiva e fico horas conversando com essa pessoa, mas chega um momento em que ela mostra que eu não estou tão certo como imaginava. O diálogo fica tão real que começo a tentar encontrar um ponto de equilíbrio, e o Sistema ØMNI é isso: tentar sair de você mesmo, ficar fora do seu lobo frontal, do seu sistema de crenças e da sua identidade, para enxergar o que está orbitando ao seu redor. E quando encontro outro ponto de vista dentro de determinada situação, um ponto de vista que não é meu, a resolução é incontestável. A resposta é imparcial.

Dentro de tudo isso, a maneira como foram incluídos Shadow Hunter e Carolina IV acabou mesmo fazendo sentido.
Rafael: Sim, porque o Shadow Hunter, como viajante do tempo, participou da descoberta da Arca de Salomão, um objeto cheio de segredos e mistérios. É a Arca da Aliança que Hitler e Napoleão tentaram encontrar. Até Indiana Jones foi atrás dela (risos) (N.R.: assista ao primeiro filme da saga, “Indiana Jones e Os Caçadores da Arca Perdida”, de 1981). Com ela, os Templários adquiriram o conhecimento para desenvolver a nova arquitetura, a mesma das igrejas góticas, um novo sistema socioeconômico, com a criação dos bancos, e outras coisas que, de certa forma, tiraram a Europa da idade das trevas e, 400 anos depois, culminaram na Renascença. Ou seja, por que não usar o Shadow Hunter como personagem em ØMNI? Com Carolina IV existe um paralelo na história com a nova e iminente civilização, porque a consciência superior nos coloca no papel dos índios quando os europeus foram conquistar as Américas. A civilização ocidental como é hoje vai se enxergar como os índios no exato momento em que isso acontecer. Tem o ímpeto da descoberta. É um paralelo com a própria banda, porque ØMNI representa o que ela é hoje: abriu caminho, tem uma história de heroísmo e é precursora em várias coisas. O Angra ainda não é um grande herói porque continua navegando, e nós não temos como saber qual é o fim dessa história, mas é uma das caravelas que desbravou o mar para chegar à Europa, aos Estados Unidos e ao resto do mundo. Estamos levando de volta para os nossos colonizadores a grande mistura cultural e racial que somos hoje.

E que bibliografia você indica para quem deseja se aprofundar no conceito do disco?
Rafael: As pessoas podem achar que sou maluco ou arrogante, mas a verdade é que sou aficionado por encontrar ideias que conectem quatro formas do conhecimento humano: filosofia, ciência, arte e teologia, a fé em várias religiões. Seria uma dica suficiente para começar a pesquisar, mas na ciência um cara que fala muito bem para nós, leigos, e eu sou um leigo, é o Carl Sagan (N.R.: respeitado cientista falecido em 1996, responsável pela série “Cosmos: Uma Viagem Pessoal”, de 1980, e autor de mais de 20 livros, incluindo “Contato”, de 1985 e que originou o filme de mesmo nome em 1997). Na religião há várias coisas que podem ser lidas, como as obras dos grandes mestres da humanidade, e posso citar Paramahansa Yogananda (N.R.: guru indiano) e Deepak Chopra (N.R.: médico e escritor indiano), que misturam filosofia e religião. Estudei estética e um pouco de história da arquitetura, então vale ir atrás do impacto da arte na sociedade, de como ela se revela nos movimentos gótico, renascentista e barroco, por exemplo. Eu não leio coisas que são difíceis, como trabalhos de historiadores que seguem por um caminho complicado, e recentemente tenho lido menos porque o tempo está cada vez mais escasso. Mas tenho assistido a muitas séries, principalmente da Netflix que misturam muito esses assuntos, e pesquiso muito na internet. Isso sempre gera um insight, então busco no Google se já existe algo relacionado ao assunto, começo a discernir o que no meu insight é diferente dos assuntos que já existem. Se eu penso num roteiro, pesquiso e encontro coisas semelhantes, mas não exatamente o que pensei, assisto ao que é diferente, ou leio, e vou encontrando meu próprio caminho. Tenho livros de todos os tipos de assunto, mas posso indicar “Pilares da Terra”, do Ken Follett, que mistura as histórias da arte e da religião, fala da construção das igreja góticas e lida com momentos de ignorância moral e de sabedoria da humanidade; “A Arte da Guerra” (N.R.: de Sun Tzu), que vez ou outra pego para pesquisar; “Uma Breve História do Tempo”, do Stephen Hawking; e “Breve História de Quase Tudo”, de Bill Bryson, cientista que pega várias teorias e as explica. Ele vai do Big Bang ao homo sapiens, e a minha história no ØMNI vai do homo sapiens à transcendência. Misturei essas coisas e tudo o que vejo pela frente. Às vezes caio em reflexão até ouvindo um funk, aí essa reflexão emenda em outra coisa… O lance é não reprimir os sentidos. ‘Ah, isso é uma merda. Ah, isso é ruim.’ Não. Acredito que o artista é uma antena de captação, recebe as vibrações ao seu redor e tem de convertê-las em alguma coisa.

Sobre a questão da arrogância, creio que não é por aí. O artista não pode deixar de fazer algo porque pode parecer complexo demais, e me refiro ao aspecto lírico. Isso não é subestimar quem ouve, mas podar a criatividade.
Rafael: Concordo completamente. Inclusive, estava conversando ontem sobre isso com uns amigos aqui em casa. Nós mostramos a capa do ØMNI, feita pelo Daniel Martin Diaz, um artista que me comove. Eu chorei quando vi o desenho, que já existia, não foi feito para o CD. Liguei e perguntei se gostaria de fazer a capa do disco, e ele disse que faria uns dois ou três desenhos originais para eu ver. Disse que gostaria daquele, porque é o que melhor representa o conceito, por uma série de razões. Poderia passar umas duas horas falando sobre essa ilustração, porque ela mexe com meus lados emocional e racional. Não estou brincando quando digo que chorei quando vi a arte, mas aí as pessoas vêm e dizem que não gostaram da capa. Tudo bem não gostar, não é disso que estou falando. Quando um artista apresenta algo, ele faz isso para mexer com o público, mas hoje as pessoas estão tão acostumadas com arte superficial que acabam fazendo um julgamento artificial. É uma pena, porque se trata de um ciclo de ignorância, de falta de educação artística e de educação geral. A verdade é que não temos cultura no Brasil, e muitas vezes o público de heavy metal quer o óbvio porque isso conforta as suas inseguranças. Não quer algo que mexa com a sua expectativa, apenas que ela seja atendida, porque o público não quer mudar. Não está pronto para receber algo novo, que mexa com ele e o faça amadurecer. O ØMNI é um disco que veio para mexer com esse tipo de público, porque tem um sabor diferente, é algo que ele nunca provou, então é preciso mastigar um pouco mais para sentir esse sabor. Quando um artista lança uma nova peça nas artes plásticas, as pessoas ficam pensando ‘Puta merda, não entendi’, então é preciso que elas façam o trabalho de tentar entender. No heavy metal não existe esse trabalho, porque o cara não entende e já parte para o ‘não gostei’. Isso é falta de cultura.

A capa não tem espadas e dragões, mas acredito que o fã do Angra pode se acostumar com ela. É o que acontece desde o início, até mesmo com o nome da banda.
Rafael
: Sim, desde o começou eu gosto de provocar. As pessoas falaram ‘Porra, banda com nome de praia?’ quando ouviram (risos), mas Angra é uma deusa na nossa mitologia. Além disso, é uma palavra que tem pronúncia forte no mundo todo. Quando colocamos ritmos brasileiros, a primeira reação foi negativa, mas aos poucos fomos ensinando ao público que aquilo fazia sentido, porque é possível recorrer às próprias raízes para ser original. Não é possível ser original copiando Steve Vai ou Yngwie Malmsteen, então minhas raízes podem deixar meu som espontâneo e consistente, afinal, a consistência está na minha identidade. Fizemos o carnaval com o Carlinhos Brown em 2016 para afirmar isso, e o público não entendeu. Mas é normal. Há quem se diga cristão, mas não sabe perdoar e é preconceituoso. O ser humano é incoerente, não sabe praticar as próprias crenças, colocar em prática a teoria em que acredita, então muitas vezes se comporta da maneira que ele mesmo considera errada, mas é tão natural e inconsciente que não percebe. Paciência. O que temos de fazer? Acreditar e levantar a bandeira do que estamos fazendo, que é arte, cultura, reflexão, transformação de padrões, amadurecimento nosso e das pessoas. Fazer isso é nossa obrigação.

Voltando à realidade criada para o Sistema ØMNI, dá para dizer que a relação com a ficção científica é mais plausível do que se possa imaginar?
Rafael
: As dimensões a que me refiro são bolhas que ficam flutuando no multiverso e que poderão ser abertas por quem está no futuro, e as pessoas que precisam de ajuda estão transitando e são viajantes do tempo. Elas procuram por uma consciência coletiva em busca da salvação. Quando sairmos da consciência individual para a coletiva, poderemos nos comunicar com outros seres humanos, mortos ou vivos. Vamos abrir as portas das dimensões do multiverso, e a comunicação com os universos paralelos vai deixar de ser fantasia. Recentemente, li uma reportagem sobre um cara que se afogou e ficou 35 minutos embaixo d’água, ou seja, estava morto. Levado a superfície por uma onda, ele bateu com o peito num pedaço de madeira de um barco e, com o impacto fazendo-o expelir água dos pulmões, voltou à vida. Como explicar isso? Ele disse que viu uma luz que o chamava, mas não sentiu algo como ‘Meu Deus, estou morrendo! Estou deixando minha realidade, meus filhos, minhas coisas.’ Ele sentiu que estava retornando, e isso deu a ele uma sensação de conforto. Baseei-me também nesse relato para chegar a uma conclusão que por enquanto é fantástica e uma profecia, mas que vou enfatizar até que se prove o contrário.

Ou seja, se o futuro se mostra assustador, há uma mensagem positiva em ØMNI.
Rafael
: Sempre espero acontecer algo que vai mudar as coisas para melhor. Isso me faz bem, e acho que cultivar isso faria bem para qualquer um. Quem está vencendo a guerra para manter a cortina fechada quer uma humanidade desesperada, sem esperança, porque é isso que mantém a cortina fechada.

Inclusive na questão do efeito borboleta, não estragando ainda mais o presente e o futuro ao mexer no passado.
Felipe: Sim, porque de certa forma a viagem no tempo pode ser uma tecnologia pacificadora. Seria uma maneira de os seres humanos mais evoluídos conseguirem dar o alerta, olhando para o futuro para corrigir o passado.
Rafael: Vamos entender a suspeita, o medo de quando ficamos sozinhos, o diálogo interno e uma série de coisas que achamos ser apenas nosso pensamento e imaginação. Teremos uma sensação de conforto e de retorno.

E por que 2046 para o Sistema ØMNI acontecer?
Rafael: Não tem uma explicação, realmente, porque é intuitivo. Quando faço imersão criativa, a meditação sobre os assuntos que resultam na criação de um sistema, alguns assuntos surgem intuitivamente. A mente gira em torno desse sistema até o momento em que passa a andar sozinha, e é aí que eu me ausento para apenas observar o que está acontecendo, como se assistisse a filmes passando nessa linha de raciocínio. 2046 surgiu quando fechei os olhos para imaginar quando tudo poderia acontecer. Vejo isso como uma profecia, mas o ano tem uma coerência com a viagem dos dias de hoje até o momento em que a consciência entra em ação, e ela já está em andamento. É uma questão do momento em que ela estará suficientemente amadurecida para deixar de ser ficção e virar realidade. O que falta para isso? Acredito que vamos viver uma revolução de novos tipos de fontes de energia, politicamente falando, porque o poder no mundo está nas mãos de quem detém o petróleo e das empresas que dependem do petróleo. É uma revolução que já está tomando forma. Acredito que estamos diante de um sistema de economia virtual que vai mudar o mundo, porque os bitcoins e afins serão responsáveis por uma transformação muito grande ao lado da deep web (N.R.: conteúdo da internet inacessível para ferramentas de busca porque está em redes que não têm ligação entre elas), porque na deep web há grandes grupos que querem revolucionar o sistema financeiro, fazer uma virada econômica e geopolítica. O poder estará nas moedas virtuais, num primeiro momento, e depois nas fontes de energia, então imaginei que levaria uns 30 anos para tudo isso acontecer. Seriam dez anos para o surgimento de uma nova economia, dez anos de uma guerra de resistência e mais dez anos para a consolidação dessa nova economia. Começando em 2016, quando comecei a estruturar o conceito, acredito que seja uma linha bem razoável.

E como a frase ‘flying missiles, atomic bombs and the second coming of Jesus’, de Jimmy Swaggart e que está no fim de War Horns, se encaixa no conceito (N.R.: a frase faz parte de um discurso que virou o disco Flying Missiles, Atomic Bombs and the Second Coming of Jesus Christ, lançado pelo pastor em 1972)?
Rafael: (rindo) Isso foi ideia do Jens Bogren, porque War Horns é praticamente inteira feita com partes da Bíblia. Usei trechos do Apocalipse e de São Mateus, e apenas o refrão foi escrito por mim. Há algo muito inquietante para mim dentro do Apocalipse, a descrição de uma situação estrelar que acontece de cinco mil em cinco mil anos, e João escreveu que no apocalipse isso aconteceria. É um assunto que entrou na minha cabeça e me deixou sem dormir, me fez ficar pesquisando. João fala da Sétima Trombeta, e a Festa das Trombetas é a virada do ano judeu, que em 2017 foi em 23 de setembro, mesma época do solstício de outono (N.R.: a data seria mais uma apontando o fim do mundo e a volta de Jesus Cristo). Foi também a época em que estávamos terminando o disco, quando a sétima trombeta seria tocada, ou seja, o apocalipse estava de fato começando. Há uma teoria de que todos os anúncios de fim do mundo, como 21 de dezembro 2012, acontecem porque o Vaticano não quer pânico com o verdadeiro início do apocalipse, e em tese ele já começou. E sem alarde para não ser vulgarizado, virar filme da Disney, coisa de Hollywood.

Como foi a reação da banda no momento em que o Rafael chegou com o conceito?
Felipe: Nós começamos o trabalho pelo instrumental, em algum camarim na Alemanha durante a turnê que fizemos com a Tarja em 2016. Foi quando esboçamos as primeiras ideias, porque o clima era muito bom, Bruno, Marcelo e o Fabio estavam com muita vontade de compor. Ao longo dos meses fomos juntando material, mas foi a partir de março de 2017 que passamos a nos reunir periodicamente para transformar as ideias em músicas. E mais o legal do ØMNI é o aspecto coletivo, porque nos discos anteriores nós trabalhamos com bateria eletrônica para programar partes de músicas ou músicas completas, então depois as mostrávamos para o resto do pessoal. Desta vez, não. O Bruno estava o tempo inteiro na bateria, e tudo surgiu de uma maneira muito orgânica, com a banda fazendo jams. Alguém chegava com uma ideia, um colocava algo, outro adicionava mais alguma coisa, e o resultado final não lembrava em nada a ideia inicial. Muitas vezes descartávamos a original em favor de sugestões que vieram depois, porque eram mais legais, e o tempo todo nós estávamos tocando juntos. Isso fez uma enorme diferença, especialmente na hora de conectar as partes, porque no som mais progressivo, por exemplo, há o risco de a música parecer uma colagem e várias canções que não se conversam. Por estarmos num processo orgânico, as partes eram derivadas uma da outra e assim por diante, então tivemos sucesso ao transformar mesmo o material mais complicado em músicas coerentes, com começo, meio e fim.

Felipe e Jens Bogren

E acredito que o Jens Bogren captura muito bem esse lado orgânico. Ao contrário de outros produtores conceituados, como Andy Sneap, suas produções não têm aquela bateria gritando para todo mundo que está trigada.
Felipe: E como já conhecíamos o método de trabalho dele, chegamos ao estúdio mais bem preparados para receber o seu input. Fizemos uma pré-produção maior do que a do Secret Garden exatamente porque já sabíamos da importância desse input, então chegamos sabendo muito bem as músicas, porque as tocamos durante bastante tempo. Além de ser um produtor que tira um som fantástico, o Jens é também um cara muito musical. Mais do que isso, ele entende o som do Angra, enquanto alguns produtores poderiam achar bizarras algumas coisas que fazemos. Tem produtor na Europa que simplesmente não entende o lance brasileiro, aí quer esconder apenas porque não faz parte do seu universo. O Jens abraça essas ideias e nos provoca para irmos além, explorando e ousando mais. E agora ele também já sabia o que esperar de nós como banda, ou seja, o conceito musical, e também como indivíduos, a maneira como cada um trabalha. No fim, o som do ØMNI é ainda mais orgânico do que o do disco anterior porque, por exemplo, o Bruno toca demais e tem uma pegada fantástica, então seria um pecado esconder o som da bateria com um monte de trigger. Um monte de banda europeia tem um som de bumbo que parece um canhão, parece que vai derrubar a parede da sala a cada bumbada (risos), mas não é isso que estávamos buscando. Queríamos um som bonito, pesado e moderno, mas sem perder a característica do instrumento. A bateria é o instrumento que mais sofre com o lance digital, mas hoje em dia o mercado tem como praxe editar tudo no grid, ou seja, pegar todas as peças e colocá-las milimetricamente no tempo, como se a bateria tivesse sido programada. O Jens é absolutamente contra isso, e nós também, por isso você consegue ouvir a música do Angra respirar. Se em determinada canção ele tocou um pouco mais para frente ou para trás, não importa. As flutuações de tempo na música são respeitadas no processo que adotamos, e acredito que isso transparece no resultado final.

E faz todo sentido, uma vez que é assim que acontece ao vivo.
Felipe: Exatamente! É o mais próximo que se pode chegar da vibração de uma banda tocando ao vivo. No estúdio os instrumentos são gravados separadamente, então seria inviável capturar nos moldes atuais exatamente como o Angra soa ao vivo. Mas é definitivamente o mais perto que chegamos, com os artifícios de hoje em dia, da banda interpretando a música, não apenas a colagem das partes gravadas por cada um.

Como o Rafael é hoje o único integrante da formação original, o Felipe é segundo membro com mais tempo de casa. O que mudou na relação interna?
Felipe: Mudou muita coisa, com certeza. O Kiko era um cara muito ativo na banda como um todo, não apenas no processo de composição, e nos últimos anos a banda vinha sendo gerida por nós três e o Paulo Baron, nosso empresário. Tivemos de suprir essa carga de trabalho e criação do Kiko, e a divisão ficou para mim e o Rafael. Foi um processo legal, porque tenho a oportunidade de participar e estar mais presente, de contribuir cada vez mais. O Kiko participou em War Horns, que tem uma parte escrita por ele, mas foi uma contribuição pequena por causa de seus compromissos com o Megadeth. O Kiko é um cara que compõe muito sozinho, faz aquele processo de gravar com bateria eletrônica e depois mostrar as músicas prontas ou bem adiantadas para a banda, e agora ficou tudo muito concentrado em mim, no Rafael e no Bruno, porque moramos em São Paulo. Sempre que pôde, o Marcelo veio de Brasília passar um tempo conosco, e o Fabio ficou um grande período participando da composição. Ele escreveu a grande maioria das melodias vocais. A ausência do Kiko deixou o Angra mais unido como banda, então a criação ficou mais bem dividida entre os integrantes. Mais democrática, porque deu a todos a oportunidade de se expressar no disco. Em uma banda com mais de 25 anos de carreira, é difícil um membro que entrou há dois anos participar do processo de composição. Geralmente é algo fechado, centrado nos líderes ou fundadores, porque é assim que funciona. São as regras do jogo, e imagino que no Megadeth deve ser assim, centrado no Dave Mustaine, embora o Kiko tenha contribuído em algumas músicas. Mas não no Angra. Queremos o input dos novos integrantes, que o trabalho reflita também suas influências e ideias e que eles se sintam parte do processo. E o disco se beneficia dessa riqueza, dessa variedade.
Rafael: Felizmente, ainda tenho parceiros de confiança, talento e competência para continuar trabalhando. Eu prefiro trabalhar em equipe, porque empaco individualmente. Sou bom em grupo e me preparei para isso, então ter alguém como o Felipe é uma bênção, porque eu trabalhava muito mais com o Kiko, naturalmente. Agora tenho o Felipe ao lado, e ele é um cara extremamente motivado e entusiasmado na hora de colocar suas ideias.

Creio que o tempo na estrada azeitou o processo no estúdio, mas tem o lado de trabalhar com um novo guitarrista depois de tanto tempo.
Rafael: O Marcelo foi uma sucessão infinita de surpresas. Eu já sabia que era dedicado, mas ele superou minhas expectativas, porque não sabia que era tanto. Todos os dias, realmente todos os dias o cara acorda e começa a tocar (risos). Ele fica horas estudando, com metrônomo e tal, e me ajudou a recuperar uma motivação para também estudar. Como guitarrista, havia aquele pensamento de ‘Será que ele está à altura do Kiko?’, nos sentidos criativo, técnico e versátil. O Marcelo superou minhas expectativas também nisso, porque apareceu com um solo mais bonito do que o outro, e era a peça que faltava em termos de empatia. Ele é um cara leve no convívio, tranquilo e sempre de bom humor, e no palco eu vejo nele um escudo muito forte, uma solidez emocional e espiritual. É muito consistente como profissional, tem ideias de marketing e uma visão de mercado de como o Angra deve ou não deve ser. Eu não poderia estar mais feliz com a atual formação, porque ela representa como estou hoje. Os caras têm muito gás, mas não são uns loucos. São focados e disciplinados, e isso é muito importante.

Como a história de ØMNI passa por outros três discos, fiz um exercício de imaginação musical para buscar referências. Por exemplo, Caveman poderia entrar em Holy Land, e Light of Transcendence tem a ver com Temple of Shadows. Ela tem algo da bateria de Spread Your Fire
Rafael: É verdade. Eu tenho um molde que uso desde o Angels Cry. O disco do Angra começa com um speed metal, depois vem uma canção mid-tempo, um heavy metal mais lento, mas que não chega a ser uma balada, que pode ser a terceira ou quarta faixa. Só que depois da balada vem uma música mais prog ou étnica, com ritmos brasileiros, e na sequência volta o speed metal, que é para o álbum não ficar leve. Vem outra balada, que pode ser mais pop ou metal, e novamente um speed metal com toques clássicos e misturas brasileiras. É uma moldura que gosto de utilizar, mas nem sempre temos material suficiente para completá-la. Quando temos, no entanto, o CD é um sucesso. Só que não adianta apenas copiar o material antigo, é preciso ter inspiração para renová-lo. Posso dizer que ØMNI é a minha obra-prima, o que não significa que fiz o disco sozinho. É porque conseguir aprimorar a minha capacidade de criar estruturas eficazes e de desenvolver a ideia dos integrantes. Além das minhas ideias, consigo apropriar as ideias dos outros para a estética do Angra.

Isso tem a ver com o fato de você ser o único membro da formação original?
Rafael: Sem dúvida, e isso me dá a propriedade de dizer que sou o único que realmente sabe, porque uma opinião minha nesse sentido podia ser questionada quando o Kiko estava na banda. Em termos de estrutura, desenvolvimento de ideias, direcionamento e criação de conceito, eu sei que me aprimorei porque venho fazendo isso há 26 anos. É por isso que digo que o ØMNI é minha obra-prima, porque pude guiar todas as ideias para que elas se transformassem num disco cem por cento do Angra. As pessoas podem ouvir e falar ‘Isso é Angra!’, então acho que sou o cara que pode adaptar qualquer ideia ao som da banda, seja uma batucada de samba ou um riff de thrash metal. O que fiz agora foi pegar as ideias e convertê-las para linguagens que já haviam sido usadas no Angra, porque eu não queria que as pessoas estranhassem a nova formação, afinal, hoje temos o Marcelo na banda. Quando o Felipe trazia um riff mais thrash metal, eu tinha de fazer com que soasse uma novidade no sistema que o fã reconhece. É um sistema padrão que precisa ser uma surpresa, e o tempo todo eu tive que pensar em satisfazer a expectativa do fã e surpreendê-lo ao mesmo tempo. Existe uma linha fina que separa isso. Às vezes você satisfaz o fã, mas não inova absolutamente nada. Em outras, inova tanto que acaba gerando uma decepção. É minha obra-prima porque encontrei o equilíbrio entre até onde poderíamos inovar e experimentar e até onde o estilo do Angra deveria ser preservado, continuar intocável.

O Angra já teve Milton Nascimento como convidado especial, então não é surpresa alguém fora do heavy metal. Mas agora tem a Sandy, e a patrulha do metal infelizmente pode não receber muito bem a ideia. Pouco importa se Black Widow’s Web é uma das melhores músicas do disco.
Rafael: A Sandy foi convidada porque havia um propósito artístico. A música é uma história, e ela desempenhou um papel que tem um lado ingênuo da mulher, o lado que ingenuamente cativa e seduz.  A Sandy fez isso a vida inteira, porque faz parte da vida do brasileiro e da cultura do país. Ela canta desde que era uma criança fofa, mas hoje é um ícone, e para nós é uma grande honra tê-la nos ajudando a contar a história. Existe o propósito artístico e existe o privilégio de ter alguém da nobreza da Sandy. Quanto às possíveis críticas, hoje, com a internet, a comunicação com os fãs ficou melhor e dá para saber imediatamente quais são suas expectativas. Isso é até uma base para criar, mas em hipótese alguma vamos ficar reféns dessas expectativas, por causa do que conversamos antes. O perfil psicológico do fã do Angra é de alguém muito conservador, fechado para novas ideias, inflexível e inseguro, o que gera uma dificuldade para aceitar a quebra de paradigmas. Não vamos nos render a isso, porque nosso papel é educá-lo musicalmente, fazer com que ele amadureça e cresça culturalmente. É assim que vai apreciar com mais abrangência a música e a arte em geral.

Eu iria perguntar exatamente se a música foi pensada para duas vozes femininas, não que vocês já tivessem os nomes em mente.
Felipe: Sim, precisávamos desse contraste. Não funcionaria se cada uma cantasse toda a música. A Alissa também canta limpo, mas a sua voz é naturalmente mais agressiva. A Sandy tem uma voz doce, perfeita para o momento em que a Viúva Negra está seduzindo o parceiro. Depois, quando chega a hora de partir para cima e matá-lo, tinha que ser a Alissa. Foi justamente para servir à música que as convidamos.

Mas vocês pensaram em outros nomes que não fossem as duas? E foi o Fabio quem convidou a Alissa, certo?
Felipe: Sim, e a história é a seguinte: estávamos no 70000 Tons of Metal, e a Alissa estava com o Arch Enemy e também com o Kamelot, banda com a qual já havia feito algumas turnês, justamente quando ela conheceu o Fabio. Nós ficamos bem impressionados com a presença e o talento da Alissa, então pensamos em compor algo para ela cantar. Tínhamos os riffs que casavam bem com o estilo dela, então terminamos a música com Alissa em mente. Nunca cogitamos outro nome, então teríamos de pensar o que faríamos com a música se ela dissesse não (risos). A Sandy veio um pouco depois, quando fizemos a introdução de Black Widow’s Web, porque vimos que precisaríamos de alguém como ela. E a Sandy também foi nossa primeira opção, então teríamos de correr atrás de uma cantora do mesmo estilo caso ela tivesse recusado.

No fim das contas, o contraste não foi apenas das vozes, mas artístico, de nomes com backgrounds completamente diferentes. O que é ótimo, diga-se.
Felipe: Sim, e também acho legal esse lado inusitado. Se eu pedisse o nome de dez cantoras, acredito que ninguém acertaria. Honestamente, admiro muito a Sandy. Acompanho sua carreira solo e vejo que ela faz tudo com muita qualidade e zelo. Para mim, é uma honra tê-la num disco do Angra.

É também uma questão de liberdade artística.
Felipe: É parte da função do artista ser quem vai mostrar ao público o que é vanguarda, mostrar qual é a sua expressão artística naquele momento, e em nenhum momento nos sentimos pressionados a repetir o sucesso do passado usando as mesmas fórmulas. É muito difícil replicar o sentimento de descoberta, mas é o que tentamos trazer em todo álbum: ‘Olha o que os caras fizeram dessa vez! Que coisa nova legal!’ Podemos fazer isso andando para frente, sem repetir as fórmulas do passado, assim ficamos satisfeitos como artistas, respeitando e contemplando as raízes do Angra.

Todos nós somos fãs, mas quem tem de ficar satisfeito em primeiro lugar é o artista. Não dá agradar a todos. Tem fã do Kiss que não ouve mais a banda porque o Peter Criss não está mais lá, só que ele não tem mais condições de tocar.
Felipe: Exatamente porque o fã busca aquela sensação de quando viu o Peter Criss tocar há muitos e muitos anos. Não dá para culpá-lo por isso. Eu também queria de volta a sensação que tive quando escutei o Ride the Lightning pela primeira vez, mas eu sei que o Metallica mudou, andou para frente. Não tem como esperar que algo como aquilo se repita. Se a pessoa não quer se abrir para ouvir o que o Metallica tem para oferecer hoje, pode ficar em casa curtindo os discos antigos, sem dar a mínima para o que eles estão fazendo. O que eu acho chato é ficar forçando a barra, tipo ‘Porra, vocês não fizeram um álbum como o Master of Puppets! Estou chateado!’ Cara, eles já fizeram. O disco está aí, você pode ouvir quantas vezes quiser até morrer (risos). E mesmo se fizesse hoje um trabalho exatamente nos moldes do Master of Puppets, o Metallica continuaria sendo criticado, afinal, não seria o Masters of Puppets. Mas quem reclama não lembra que não tem mais os 12, 13 ou 15 anos da primeira vez que ouviu o disco. É mesmo uma sensação muito difícil de replicar, e eu tenho uma teoria: se você não ouve e assimila determinadas bandas quando está formando sua personalidade, vai ser muito complicado gostar delas depois de velho e cricri. Para mim, por exemplo, é difícil aceitar o Accept, que não fez parte da minha formação musical, da mesma maneira que uma pessoa que cresceu ouvindo a banda. As referências são diferentes.

Especificamente sobre o Angra, o curioso é que o primeiro álbum já foi um marco dentro do estilo. E o Angels Cry foi sucedido por um divisor de águas, porque o Holy Land mostra que não é qualquer banda que pode inserir no trabalho a cultura musical do próprio país, e isso inclui convidados fora do heavy metal. O Brasil tem essa singularidade.
Felipe: Com certeza, e tentamos tirar o máximo de proveito disso. Antes de começarmos a fazer o Temple of Shadows, e acredito que tenha sido assim com o Holy Land, estávamos com a sensação do dever cumprido por termos feito um disco que, apesar de gostarmos dele, foi bem calculado. Então tivemos liberdade para pirar, para sermos completamente espontâneos no processo de criação. Aconteceu a mesma coisa agora, pudemos colocar em práticas essas ideias malucas, como ter vocal gutural pela primeira vez num disco do Angra e convidar a Sandy, porque é uma participação inusitada. É preciso lembrar que o Milton Nascimento tem status de lenda, é inquestionável… O cara que questiona a presença dele não conhece história. Se for falar bobagem por aí, é melhor pensar bem, porque está falando do Milton Nascimento. Embora seja uma artista consolidada, porque é impossível alguém no Brasil não conhecê-la, já que ela canta na TV desde os cinco anos de idade, a Sandy não está no patamar de lenda. Ou seja, é mais arriscado. Quando o Rafael veio com a ideia, admito que fiquei como cachorro que entorta a cabeça para o lado (risos), mas não precisei pensar nem cinco segundos para perceber que fazia sentido. Não apenas pelo contexto da música, mas por ser a Sandy. Precisamos aproveitar que nosso legado permite uma ida por caminhos diferentes, mas também o fato de termos acesso a essas pessoas, porque elas respeitam o Angra e sua trajetória, o que a banda representa no país e lá fora. Levamos a nossa cultura para o mundo inteiro, e é por isso que em festivais Brasil afora, ao encontramos com as bandas mais pop e diferentes possíveis, percebemos que o respeito é gigante. Tenho certeza de que qualquer artista dessas bandas aceitaria um convite nosso, porque enxergam a importância do Angra.
Rafael: O fã do Angra também é fã de outros grupos do estilo, e o fã de power metal e metal melódico tem aquele estereótipo um pouco conservador. E esses estilos não são dos mais transgressores dentro do rock pesado, como são thrash metal e o punk ou até mesmo o rock alternativo e o grunge, então tentar quebrar paradigmas no power metal é uma dificuldade. Você basicamente se comunica com um público que, por opção, prefere ser conservador. E isso é um direito que ele tem, chegar em casa e tomar um Toddy quentinho feito pela vovó enquanto ouve Angra e Nightwish (risos). É assim que vai dormir feliz, achando que a vida é fantasia. Como somos uma banda brasileira, acredito que temos a responsabilidade de não iludir o fã. Por exemplo, a música Angels Cry fala de crianças que passam fome na rua, porque eu não queria falar de castelos, dragões e um mundo belo. Seria hipocrisia. Não moro na Inglaterra, minha realidade é diferente. Essa pegada sempre esteve presente nas nossas letras, mesmo com metáforas e analogias que dizem respeito à realidade do ser humano e à sua crueldade, uma reflexão sobre injustiças, desigualdade social e incoerências. Nossas burrices, e me incluo quando falo nossas.

E a percepção geral é que esse caminho sempre é mais bem aceito lá fora.
Rafael: Eu vou além, porque é mais bem aceito nos países desenvolvidos, curiosamente. Nos países do Terceiro Mundo é a mesma coisa. Quando digo que faltam cultura e educação no Brasil, não estou falando dos analfabetos. Falo da grande massa, de uma classe media que não tem consciência e civilidade, não sabe qual é o seu papel como individuo e cidadão, qual é o papel do país no mundo em relação a mudanças. Isso faz do Brasil um país ignorante, que não sabe avaliar para onde está indo a sua cultura, porque há 30 anos as rádios tocavam Tom Jobim e Elis Regina. Essa era a nossa música pop. Gilberto Gil era a música mais prostituída que tínhamos, e havia Amado Batista e Roberto Carlos nas rádios AM. Aí falamos ‘Puta merda, bons tempos’. O samba no Brasil sempre foi foda, mas hoje você não consegue mais assistir a um show com artistas do calibre dos icônicos, porque não há mais interesse. Estamos vivendo um período de trevas na cultura brasileira, então temos de dar educação ao povo para que ele tenha critério e faça um bom julgamento. Como o povo não tem educação, a música acaba nivelada por baixo. A gravadora tenta vender o novo disco da Alcione, mas ninguém quer saber, ninguém compra o CD, então ela lança o que está aí, porque precisa vender.

E está ficando cada vez mais difícil, porque essa falta de cultura faz com que a discussão não seja mais artística e musical. Ninguém quer saber se os dois nomes da moda, Anitta e Pabllo Vittar, têm talento. Os focos são a bunda de uma e a orientação sexual do outro.
Rafael: A música popular sempre foi, desde a era do rádio, música, tendência e comportamento. Os Beatles surgiram vendendo também comportamento, aqueles quatro caras bem comportados e de terninho, mas depois foram um dos pilares da revolução hippie e das grandes transformações comportamentais na sociedade. Mas eles fizeram isso com a música tendo peso e relevância. O Kiss é comportamento com Gene Simmons cuspindo sangue, mas também é música. Hoje, a questão comportamental é mesmo muito mais forte que a música, então é preciso encontrar um equilíbrio entre conceito e conteúdo. O mundo precisa voltar a ser criativo.

Você falou que Z.I.T.O. está ligado ao conceito de ØMNI, que houve situações estranhas durante a gravação de Holy Land. Por exemplo?
Rafael: Acho que o Kiko lembra vagamente, talvez o Ricardo e o Luís lembrem, e o Andre levou um choque durante uma tempestade, por isso pode ser o que menos recorde de algo. Mas foi um dos mais afetados com a transformação que vivemos lá. Ficamos isolados no campo, não havia TV, telefone, fax e, obviamente, internet. Estávamos num local cheio de pedras, cheio de magnetismo, então os raios caíam com toda força. O Andre estava tocando teclado, que ficava numa estante de ferro, quando caiu um raio fortíssimo que chacoalhou a eletricidade. Ficamos sem luz por um tempo, e o Andre apareceu na sala completamente tonto e atônito, porque tinha recebido uma descarga elétrica. Aquilo me assustou bastante, porque havia perdido recentemente um amigo eletrocutado.

Para você, Felipe, como foi a experiência de tocar com o Geoff Tate, especialmente para apresentar a íntegra do Operation: Mindcrime, para mim o maior disco conceitual da história do heavy metal.
Felipe: Cara, foi surreal. Estava na Som Livre resolvendo uma lance de edição das minhas músicas quando recebi um SMS do Geoff. Eu o conheci em 2004, quando o Angra tocou no Metal All Stars, na Bolívia e em São Paulo, e trocamos contato. Ele pediu que eu montasse uma banda aqui, pois iria tocar no Brasil, e foi uma felicidade enorme ter recebido o convite porque pude escolher músicos que são extremamente competentes e também amigos. Mais do que isso, pessoas que, assim como eu, são fãs incondicionais e que cresceram ouvindo o Operation: Mindcrime. O Geoff é um cara muito legal, e a convivência foi tão legal que também vou fazer a turnê na Europa com ele. Farei dois shows por noite nas 27 datas europeias do Angra, primeiro com o Geoff, depois com o Angra. Turno dobrado (risos). Será bem pesado, mas vai valer a pena. Tocaremos novamente o Operation: Mindcrime na íntegra, e concordo com você: é certamente o disco conceitual mais animal já feito no heavy metal. Também vão rolar outras músicas da carreira dele, e com o Angra poderei tocar as músicas novas, o que dá uma injeção de ânimo. Há canções que eu toco há exatos 17 anos em todo show, então é uma sensação bacana ter material novo para apresentar. Até porque acreditamos que o ØMNI é um disco muito forte e que as suas músicas vão funcionar muito bem ao vivo. Estou bem ansioso para a turnê.

Exatamente. Essa é uma das razões por que tiro o chapéu para o Iron Maiden, apesar de muitos fãs reclamarem que a banda toca cinco, seis, sete músicas do novo álbum quando sai em turnê. Vocês já sabem o que vão tocar do ØMNI?
Rafael
: Nos shows sempre tem aquele cara que foi para ouvir os clássicos e não está por dentro do novo disco, então vamos começar tocando umas quatro ou cinco. E acho que tem de ser as de assimilação mais fácil, que são Travelers of Time, Insania, War Horns, Light of Transcendence e Caveman. Depois vamos colocando aos poucos no repertório canções como Magic Mirror e ØMNI – Silence Inside, e acredito mesmo que mais para o fim do ano os fãs estarão pedindo todas as músicas do ØMNI.

E ØMNI é um disco que merece ser tocado na íntegra, realmente. Mais do que isso, para registrar o bom momento da banda e sua nova formação, um CD e DVD ao vivo seriam bem-vindos. De repente, um novo Angra Fest com as participações especiais da Sandy e da Alissa. Pode ser difícil, mas não custa nada tentar.
Felipe: Sem dúvida, e ficamos viajando nessas coisas também, o tempo inteiro fazendo planos. Como você disse, há coisas que podem ser complicadas de realizar, mas esse DVD vai ter que existir porque o ØMNI merece. Não fizemos um do Secret Garden, mas agora é o momento certo. Não está longe de acontecer, e levar tudo isso para o palco enriqueceria bastante o show.
Rafael: Tudo vai depender da aceitação do público, o quanto ele vai gostar e entender o ØMNI, mas a nossa vontade é mesmo fazer tudo isso. Se ele se tornar um clássico daqueles que as pessoas falam que é inteiro bom, aí é que vai valer mesmo a pena fazer um espetáculo só dele, chamando a Alissa e a Sandy.

Recomendamos Para Você

Close