Live Evil

ATAQUE EXTREMO

Desdominus, Vulture, Incinerad e Necromesis Cidadão do Mundo - São Caetano do Sul (SP), 25 de janeiro de 2014

Noite quente, cheia e regada com muito metal extremo. Assim podemos resumir de forma esse sábado de verão, no Cidadão do Mundo em São Caetano do Sul, ABC paulista. O evento, tradicional entre os fãs das vertentes mais agressivas de metal, já brindou os headbangers com apresentações de grupos de relevância nacional e internacional como Nervochaos, Nervosa, Queiron, Dercerebration, Chemical, entre outros. Mantendo a tradição de mesclar bandas de renome com grupos emergentes, o cast contou com os grupos Necromesis, Incinerad e os veteranos Vulture e Desdominus.

Já com um ótimo público dentro da casa, às 23h20 o Necromesis iniciou sua apresentação. Esse show foi um marco para o quarteto, formado hoje por Mayara Puertas (voz), Daniel Curtolo (guitarra e voz), Gustavo Marabiza (baixo) e Gil Oliveira (bateria), pois marcou o lançamento do novo trabalho do grupo: o EP Echoesofa Memory, do qual executaram todas as faixas: Memories, Indifferent Echoes of Sensitivy. Interessante citar que se por um lado a vibe inspirada em Death/Sadus tenha dado espaço para contornos mais agressivos e ao mesmo tempo progressivos, a identidade e a unidade continuam presentes, até mesmo nas músicas mais antigas como The Dark Works ofArt, Unlives As Undeads e Demonic Source, que encerrou a vitoriosa apresentação. Vale citar que o novo formato de quarteto permite uma maior interação com os bangers, principalmente a frontwoman Mayara, cuja performance inspirada em George “Corpsegrinder” Fischer (Cannibal Corpse), agrada em cheio.

Já passavam da meia noite e meia quando o Incinerad iniciou seu set. Capitaneados pelo guitarrista e vocalista Lauro Nightrealm (também Queiron), o quarteto, completado por Ricardo Gore (guitarra), Flávio Decaptor (baixo) e Emanuel Kronéis (bateria) mostrou um som variado, que possui referências no death metal da Flórida, só que acrescentao em sua música contornos que vão do black ao doom, como pudemos ver/ouvir na abertura com The Fall of God, Encarnation of Hate e Seven Courses. A vertente tradicional do Death apareceu em The End of the Falses Christian Poetries, mas é interessante citar um diferencial no som da banda em relação aos outros grupos do estilo: todos os sons terminam de forma virtuosa, o que valoriza ainda mais a música do grupo. Encerraram a curta apresentação com um tributo ao Metal nacional com Nightmare (Sarcófago), tocada até o fim do primeiro refrão e emendada com Total Destruição (Vulcano), que emocionou muitos que estavam no espaço.

Eram 1h50 da madrugada e muitos fãs estavam animados para conferirem o som do Vulture. Oriundos de Indaiatuba, o quarteto formado Adauto M. Xavier (guitarra e voz), Yuri Schumann (guitarra), André Xavier (baixo) e Max Schumann (bateria) mandaram um coeso death/thrashmetal, que possui passagens mais técnicas e melódicas, como ouvimos na abertura com Night of the Unholy Flame, do seu mais recente álbum, Destructive Creation. Mas a banda não ficou presa ao último registro e mandou Cold Air e Silence of the Lambs, esta do debut Test of Fire, que apesar de ser mais básica, mostra que o alicerce musical da banda já estava montado. Evil War Domination mostrou uma pegada mais death e Riders of a New Age aponta novos caminhos, com muito groove e passagens mais cadenciadas. Essas infelizmente apontavam o fim do show, que teve a apoteótica Abençoado Seja O Homem Ateu, que gerou rodas e muito pogo dos presentes.

Coube ao Desdominus encerrar essa bela noite de música extrema. Pela primeira vez se apresentando no ABC paulista, Paolo Tägtgren Bruno (guitarra/voz), Wilian Gonsalves (guitarra), Rafael de Faria (baixo) e Ney Paulino (bateria) mostraram um death metal técnico, que usa muito bem as melodias e aplica doses de brutalidade nos momentos certos, como na abertura como na trampadíssima Def(aith)eat, que faz parte do seu novo álbum, o aclamado Devasting Millenary Lies. O referido trabalho ainda foi (muito bem) representado por Autolatry e A Queda dos Ídolos. Era visível o sorriso dos caras por estarem se apresentando para um excelente público. O vocalista Paolo agradecia aos presentes ao fim de cada música emocionado. Mas com tanta história os caras não poderiam deixar de lado canções do debut Without Domain. Dele foram executados sons como False Creator’s Creator (dona de um interessante dedilhado), Oposition Warrior e Supremacia Underground, que encerrou essa vitoriosa edição do Ataque Extremo.

Por mais problemas que existam em nossa cena, temos de tomar consciência que o maior deles é simples de resolver: basta público e imprensa se conscientizarem que o Rock não está apenas nos grandes shows, também está nos pequenos, que possuem uma atmosfera que muitos eventos mainstream jamais terão.

 

Recomendamos Para Você

Veja Também

Close
Close