Live Evil

BROTHERS OF METAL

Sociedade Recreativa de Timbó - Timbó/SC, 06 de julho de 2013

Se os organizadores de Joinville estão dizendo que não existe local para fazer shows para os headbangers, os produtores do Vale do Itajaí estão utilizando as armas que têm. Uma prova disso é o evento “Brothers Of Metal”, realizado em Timbó, que fica a 30 km de Blumenau (famosa por causa da Oktober Fest). O município timboense faz parte do circuito do Vale Europeu, destinado às corridas de bicicletas. O evento foi realizado na Sociedade Recreativa de Timbó, um lugar amplo, bem cuidado e com uma acústica boa, perfeito para realizar um show de grande porte. Um detalhe interessante: havia duas baterias no palco e enquanto uma era usada, a outra estava coberta por uma espécie de telão preto e sendo ajustada para a próxima banda. Ponto para organização, que pensou nos fãs e nas bandas, poupando o tempo que estaria sendo desperdiçado se houvesse apenas um instrumento.

Shadow Of Sadness, de Itapema, abriu a festa. Havia um pequeno público durante a apresentação, pois o pessoal ainda estava chegando ao local. Tocando um bom Death Metal, fez a galera presente entrar no clima. Da fusão de Marlon Silva (vocais), Deny Bonfante (guitarra, Perpetual Dreams), Juliano Scharf (teclado, Before Eden), Anderson Agostinho (baixo, Steel Warrior) e Júlio Kühlewein (bateria, Before Eden) surgiu o Blackhawk Fury de Blumenau. O grupo o agitou o pessoal com clássicos do Rock e do Metal.

Em seguida a também blumenauense Pain Of Soul fez o público se aproximar em massa para acompanhar o Doom Metal do quinteto. O grupo é formado por Dani Martendal (vocal), Joel Sebold (guitarra e vocal), Peter (guitarra), Felipe (baixo) e Luiz (bateria) e superou a expectativa dos fãs, inclusive, de pessoas da serra catarinense que compareceram para prestigiar o trabalho dos blumenauenses.

A banda local Infektus fez seu segundo show após a sua reestreia. Houve uma queda de público, pois alguns não conheciam-na, já outros estavam ansiosos para ouvi-la (a banda ficou seis anos inativa). Formado pelo vocalista e baixista Boris Girardi, pelo baterista Culver Yu (Steel Warrior) e pelos guitarristas Nélson Floriani e Charles Silva, o quarteto abriu com Trust Yourself. E aí começou o agito. O pequeno público frente ao palco iniciou um tímido ‘circle pit’ – aliás, a banda foi responsável pelos ‘circles’ do começo ao fim da apresentação. Burn The Church foi a segunda música a rolar, em seguida de Fascination For Flesh. E é irrefutável comentar a presença de palco dos guitarristas, principalmente Nélson, já que ambos exalam uma imensa energia, chegando a contaminar os espectadores presentes. Boris mostra agressividade e técnica nos vocais, enquanto Culver Yu dispensa comentários. A quarta foi Kill Our Enemies” e na sequência vieram Religious Conflicts, My Country A Needs A War. As músicas Book Of Fiction, Arise e Fake Virtual Life fecharam a apresentação dos timboenses. O Infektus provou que voltou à cena para ficar e para fazer história no cenário do metal underground.

Em seguida, o Steel Warrior, oriundo de Itajaí, subiu aos palcos. A banda, que há 17 anos faz história no Metal, era uma das mais aguardadas da noite. Formada por André Fabian (vocal e guitarra), Anderson Agostinho (baixo) e pelos irmãos Boon Yu (guitarra) e Culver Yu (bateria), abriu The Witch And The Cross. Em seguida, soltaram a clássica Revenge, do álbum Visions From The Mistland. A terceira foi The First Warrior, seguida pelo cover (e clássico) Don’t Talk To Strangers. Spell Of Witches World foi a quinta a soar nos ouvidos dos bangers. A vida de muito headbanger poderia ser descrita pela música Metal Rebel, enquanto The Loneliness Of The Long Distance Runner foi mais um cover. Vodu veio em seguida e contagiou ainda mais os fãs. Antes de anunciar a música seguinte, uma surpresa: Marcão, baterista da Rhestus, foi anunciado para fazer uma participação especial na música Power Metal. Simpatia, simplicidade, técnica e presença de palco são marcas registradas dos integrantes do Steel Warrior e por isso mesmo a banda saiu do palco com pedidos de “mais um” e ovacionada por todos.

A podridão rolou solta com a joinvilense Flesh Grinder, que já é consagradíssima no cenário mundial do Splatter. DRH Khil na bateria, FAMG Necromaniak no vocal e guitarra e RAM The Butcher no vocal e baixo foram responsáveis por diversas “autopsias” no evento. Godgut abriu os tímpanos do pessoal, enquanto que em S.P.L.A.T.T.E.R. e 700 Autopsies o sangue dos bangers já estava sendo derramado no evento. Crematorium, Ophtalmologic, Ureoplasma, Graveyard Meat, Sapiens Burger, Embolia, Aroma, Special Pus, Granulomatous, Acute, Forged In Dead Remains, Trash Nausea Total e Necrophagia compuseram o set list do lunático trio. Ao todo foram 17 músicas que atacaram (no bom sentido) o público. A banda mostrou porque é lendária no Splatter. A bela apresentação dispensa comentários, inclusive, teve fã fantasiado, com direito a máscara e avental sujo de “sangue”, prestigiando a banda.

Passava das 3h e o público caiu em virtude do horário. A última atração da noite foi a banda Terror, de Blumenau, com seu furioso Thrash Metal cantado em português. Assim como o Infektus, o grupo está retornando aos palcos após uma parada. Destaque para o vocalista Cícero König Finger (Fuzilador e Juggernaut), que não para um segundo e manda muito bem. Alguns nem perceberam quando a banda errou, mas Cícero pediu desculpas pelos erros do grupo no palco. Os fãs desprezaram os desacertos e seguiram firmes, acompanhando show e apoiando os músicos. O set list foi composto por: Jason Saga, Promotors do Caos, Profetas da Realidade, People Of The Lie (cover de Kreator), Ataque Terrorista, Capa Preta, Domination, Mandatory Suicide (cover de Slayer) e a clássica Estupro no Mato (a mais pedida pelo público).

Quem estava no evento, saiu sonhando com o próximo. Todos viram o potencial que a região tem e os organizadores ficaram orgulhosos com o apoio dos bangers. Mais uma vez, a região provou que poderá ser uma das mais fortes (se não a mais) no cenário catarinense do Metal, e isso graças a um conjunto composto por bandas, organizadores e público.

 

Recomendamos Para Você

Veja Também

Close
Close