Live Evil

CRUCIFIED BARBARA

Inferno Club - São Paulo/SP, 15 de novembro de 2012

O público brasileiro tem especial carinho por bandas da Suécia, inclusive de outros estilos que não o Metal. E não se pode negar que a cena rocker de lá é mesmo bastante fértil. In Flames, está entre um dos bons destaques. Mesmo não sendo tão conhecidas como seus conterrâneos, o quarteto Crucified Barbara chegou fazendo literalmente barulho e levando muitos fãs a todos os shows dessa primeira tour brasileira, desde Florianópolis e Porto Alegre à Goiânia e Maceió. Em São Paulo a apresentação aconteceu no feriado de 15 de novembro. Enquanto a banda atendia a imprensa numa coletiva após a passagem de som, uma fila já era formada na porta do Inferno Club horas antes da hora marcada para o show.

Duas nacionais tiveram a tarefa de abrir os trabalhos. A primeira foi a Girlie Hell, quarteto goiano só com meninas na formação. Tocando apenas músicas próprias, a banda formada em 2007 baseou seu set nas faixas do primeiro disco, “Get Hard”. Adotando o Hard Rock setentista como referência e boa presença de palco, o grande destaque é a competência da vocal e guitarrista Bullas Attekita.

Com bateria recuada por causa do rider já montado para o show principal, quem veio na sequência foi o Sioux 66. Banda paulistana formada em 2011 bebe na fonte dos ídolos estampados nas camisetas que vestiam na ocasião: Misfits, Motorhead e Motley Crue. Com apenas um EP lançado, Igor Godoi (vocal), Fabio Bonnies (baixo), Fernando Mika (guitarra), Bento Mello (guitarra) e Gabriel Haddad (bateria) mesclaram sons próprios e alguns covers como “Mouth For War” do Pantera e “It’s So Easy” do Guns N’Roses. Destaque para as faixas “Outro lado”, música de trabalho e único videoclipe lançado, e “Mentiras”, uma das que estará primeiro full lenght previsto para ser lançado no ano que vem.

Mesmo com bastante gente da produção local trabalhando para deixar o palco pronto, com pano de fundo estendido e banda chegando na surdina e passando quase incógnita no meio da galera, a espera foi mais do que necessária já que a produção delas resolveu fazer novamente toda a verificação de mics, plugs e afinações. Já passava das dez da noite quando, enfim, uma a uma das meninas do Crucified Barbara foram entrando no palco, sendo a última a vocal e guitarrista Mia Coldheart. Abriram com “The Crucifier”, faixa que também encabeça a lista  do mais recente disco “The Midnight Chase”, lançado este ano. Tocaram faixas dos demais discos, mas o set inclui muitas das músicas do novo álbum como “Rock Me Like the Devil”, primeiro videoclipe e atual música de trabalho, e “Shut Your Mouth”. Músicas do primeiro disco como “Play Me Hard” e “Bad Hangover” levantaram o público que agitou e cantou todas. A banda é pura energia e Mia, além de uma potência vocal rara, se destaca por ser a única morena e com uma franja constante e rebelde cobrindo os olhos.

É fato que elas possuem muitos fãs por aqui, mas também é sabido que muitos foram lá para conferir se ao vivo o desempenho no palco se equivale a inegável beleza das suecas. E, sim, está em igualdade e a qualidade do show potencializa todos esses pontos positivos.

A balada “Jennyfer” deu uma esfriada nos ânimos seguida de “Pain & Pleasure” também cantada pela galera. Outras das novas, “Rules and Bones” e “Into the Fire”, antecederam um dos sons mais conhecidos delas, a sugestiva “Sex Action”. A baixista Ida Evileye disse que sempre foi um sonho tocar no Brasil e que estavam bastante felizes de poder realizar essa vontade e passar por tantas cidades.

O único cover foi “Kill by Death”, do Motörhead, uma referência declarada para o som delas. Esta foi seguida de “Losing the game”. A banda saiu do palco indicando que o show estava perto do fim. Voltam para o bis com a lentinha “Cout me in”. O show terminou alto astral com as rápidas e ótimas “Rock’n’Roll Bachelor” e “In Distortion We Trust”, deixando o “quero mais” para público e banda que promete voltar em breve.

Já que por em dúvida a qualidade do Rock/Metal feito por mulheres, não deveria, mas é uma constante, o Crucified Barbara impressionou e mostrou que meninas bonitas não só botam a mesa como tocam guitarra e bateria em alto e bom som.

Set list:
The Crucifier
Play Me Hard
Rock Me Like the Devil
Bad Hangover
Shut Your Mouth
Jennyfer
Pain & Pleasure
Rules and Bones
Into the Fire
Sex Action
Everything We Need
Killed by Death (Motörhead cover)
Losing the Game
Count Me In
Rock ‘n’ Roll Bachelor
In Distortion We Trust

Recomendamos Para Você

Close