Live Evil

LIVE METAL FEST III

Inferno Club - São Paulo/SP, 08 de junho de 2013

Com o intuito de buscar uma maior união e divulgar melhor as bandas de Metal do cenário nacional, a terceira edição do “Live Metal Fest”, realizada no último sábado (08) no Inferno Club, contou com a presença das bandas Spallah, Kamala, Ancesttral, Command6, Trayce e Against Tolerance. O evento teve início por volta das 16h40, com a apresentação do Spallah. O quarteto, que pratica um Metalcore com algumas influências de Jazz, Fusion e World Music, foi formado em 2009 no município de Guarulhos, e conta em sua formação com Rafael Cardoso (vocais), Paulo Bozzo (guitarra), Gwab (bateria) e Vicente (baixo), que fazia a sua despedida da banda neste show, para seguir com outros projetos.

Mostrando-se bem entrosados e dispostos a abrir de forma digna o evento, eles trataram de aquecer a galera que aos poucos ia chegando ao local com músicas como “Follow”, “Shine” e “Welcome”, além de outras que estarão presentes no primeiro álbum do grupo, que dever ser lançado ainda neste ano.

A segunda banda a subir ao palco do Inferno foi o Kamala, com seu Thrash Metal vindo diretamente da cidade de Campinas. Alternando faixas de “The Seven Deadly Chakras” (2012) com algumas do álbum “Fractal”, Raphael Olmos (vocais e baixo), Luiz Moura e Andreas Dehn (guitarras) e Nicolas Andrade (bateria) apresentaram um competente e energético set. O público se animou e agitou bastante em músicas como “The Fall”, “Solar Plexus”, e no encerramento, com “Stand On My Manger e “Crown”.

Na sequência vieram os paulistanos do Ancesttral, com seu excelente Thrash/Heavy. Na ativa desde 2005, a banda possui na bagagem alguns EPs e o álbum “The Famous Unknown” (2007), se preparando agora para lançar o seu segundo trabalho, ainda neste ano. Alexandre Grunheidt (vocais e guitarra), Leonardo Brito (guitarra), Renato Canonico (baixo) e Denis Grunheidt (bateria) fizeram um ótimo show, mostrando um som bastante coeso e preciso. Desde o começo, com “Demolition Man”, a pesadíssima e veloz “Bloodshed and Violence” e a cadenciada “The Famous Unknown”, a banda já mostrava toda a sua força. A nova música, “What Will You Do”, mostrou que o novo trabalho promete, e a trinca final com “Trust”, “We Kill” e “Feel My Hate” fechou em grande estilo a curta apresentação, sob vários aplausos.

A quarta banda a se apresentar foi o Command6, também de São Paulo, e que já há algum tempo vem se destacando bastante no atual cenário “metálico” da capital. Na ativa desde 2008, e com dois grandes trabalhos lançados, o grupo atualmente conta em sua formação com Wash (vocais), Bruno Luiz (guitarra), Johnny Hass (baixo) e Bugas (bateria), além da presença de Alex Gizzi (Trayce), dando uma força na outra guitarra. E mais uma vez, o grupo não decepcionou a galera presente. Com um set baseado no álbum “Black Flag”, o quinteto executou com muita competência as ótimas “Crush The World”, “Lies So Pure”, “So Cold”, “Dawn of A Man”, além da faixa-título, e ainda tocou as mais antigas “Jesus Cry” e “You Wanted, You’ve Got It”. Para fechar muito bem, ainda mandaram ver com uma cover da clássica “Slave New World”, do Sepultura, para alegria dos presentes.

Por volta das 20h40, subiu ao palco o Trayce, outra banda de Metalcore de São Paulo que também vem conseguindo um considerável destaque nos últimos tempos. Formada em 2007 com o nome de Ace 4 Trays, a banda acabou mudando para Trayce após o lançamento de “Roll The Dice”, e já com seu novo nome lançou em 2011 o álbum “Bittersweet”, bastante elogiado por crítica e público. A formação atual conta com Marcelo Carvalho (vocais), Alex Gizzi e Fabricio Modesto (guitarras), Rafa Palm Ciano (baixo) e Marcelo Campos (bateria), porém neste show, o vocalista Marcelo foi substituído por Wash (Command6), devido à um compromisso particular. Mas isso não foi um problema, e o quinteto se mostrou muito bem e agitou a galera com “Look At Yourself”, “Price To Pray” e “Land of Hatred”. Em “B.O.Y.H”, Rafael do Kamala assumiu os vocais e fez bem o trabalho, e na sequência Wash voltou para cantar “The Rain”, do primeiro disco. Em “Fuck My Hate”, foi a vez de Clayton Bartalo (Screams of Hate), assumir os vocais, para depois o grupo fechar a sua competente apresentação com “Made of Stone” e “Roll the Dice”.

Fechando a noite, tivemos ainda o Against Tolerance, banda de Metal Experimental também da cidade de São Paulo. Formado em 2011, o trio Biel Astolfi (bateria e vocais), Vitor Curi (guitarra e vocais) e Hugo Bispo (baixo e backing-vocals), divulga atualmente o EP “Redefined”, lançado neste ano, depois do bom destaque que obtiveram com o álbum “Undefined”. Com a responsabilidade de ser a última banda do evento, o trio de excelentes músicos passou bem longe de fazer feio, brindando quem ficou até o final com uma ótima apresentação. Destaques para “All To Nothing”, “Cold Hearts” e “With Our Own Hands”, além do inusitado cover para Redemption Song, de Bob Marley e o encerramento com “Zaratoustra, Zaratoustra” e “Try Again, Fail Again, Fail Better”.

Uma ótima iniciativa esta de reunir várias bandas emergentes da cena num só evento, com valor barato, local de fácil acesso e num horário aceitável, possibilitando a todos que foram poderem voltar para casa tranquilamente. Que muitas outras edições venham por aí, mostrando cada vez a qualidade de nossas bandas e o exemplo de união demonstrado por essas bandas.

 

Recomendamos Para Você

Veja Também

Close
Close