Live Evil

MARTIN TURNER’S WISHBONE ASH

22 de setembro 2012, Manifesto Bar - São Paulo/SP

Ressaltar a importância do grupo britânico Wishbone Ash e sua inestimável contribuição junto ao Hard Rock e Heavy Metal seria como chover no molhado. Em litígio com o seu ex-grupo, o baixista e vocalista da formação original do Wishbone Ash, Martin Turner, vem se apresentando ao redor do mundo desde 2004 sob o nome de Martin Turner’s Wishbone Ash, sempre presenteando os fãs com alguns de seus maiores e inesquecíveis clássicos.

Acompanhado dos guitarristas Ray Hatfield e Danny Willson e ainda, do baterista Dave Wagstaffe, Martin aproveitou o aniversário de 40 anos do álbum clássico do Wishbone Ash, o aclamado Argus para executá-lo na integra nesta turnê brasileira, que teve início no Rio de Janeiro e contemplou, além de São Paulo, outras capitais como Belo Horizonte e Porto Alegre.

Marcado para 20h da noite de sábado, o público composto basicamente por ‘tiozões’ de faixa etária entre 35 e 50 anos, adentrou nas dependências do Manifesto Bar de forma bastante discreta, passando a impressão que estaríamos bem longe de uma plateia a altura de Martin Turner, algo que infelizmente acabou se confirmando. Os poucos que prestigiaram o lendário baixista fizeram a diferença compensando com muito entusiasmo, agitando muito, interagindo e cantando as canções.

Com o set list dividido em duas partes, a primeira contemplando clássicos aleatórios da carreira do Wishbone Ash e, outra dedicada exclusivamente ao álbum “Argus” (1972), Martin e banda deram um verdadeiro show, encantando literalmente os presentes com uma musicalidade invejável e impressionante.

Durante a execução de verdadeiras pérolas como “Time Was”, “Sometime World”, “The King Will Come” e “Leaf And Stream” que pudemos perceber quanto o álbum “Argus” estava à frente de seu tempo – Martin Turner foi o compositor da grande maioria das canções deste play. Esse fato já é suficiente para os fãs esquecerem a presença dos demais integrantes do Wishbone Ash, já que Martin e sua banda executaram de forma impecável as composições, não devendo absolutamente nada às originais. Conforme já era esperado, o momento alto do show se deu durante a execução dos clássicos “Warrior” e “Blowin’ Free”, levando a galera à loucura.

A dupla de guitarristas, Ray e Danny, simplesmente detonou tudo, fazendo fluir de forma espetacular a sonoridade das chamadas ‘guitarras gêmeas’, que influenciou diversas bandas seminais como Thin Lizzy e Iron Maiden. A passagem de Martin Turner e sua banda superou, e muito, as expectativas dos fãs, que foram agraciados com uma apresentação de alto gabarito. Agora nos resta aguardar uma ‘reunion’ do Wishbone Ash com Martin Turner para podermos morrer felizes!

Recomendamos Para Você

Close