Live Evil

NERVOSA

Abertura: LAMA NEGRA / LEATHERFACES Hangar 110 - São Paulo (SP), 30 de março de 2014

Para lançar o um dos álbuns mais esperados dos últimos anos, o trio paulistano Nervosa realizou uma matinê de domingo no Hangar 110, em São Paulo, com o intuito de apresentar seu primeiro e aguardado álbum, “Victim Of Yourself”. Para engrandecer a festa, se juntaram os grupos Leatherfaces e Lama Negra.

O primeiro a subir pontualmente no palco foi o Leatherfaces, que conta com Rafael Romanelli (guitarra e vocal), Arthur Betiolli (guitarra), Giovanni Soares (baixo) e Cave Hoffman (bateria e vocal), que apresentaram faixas do EP de estreia. Destaque para “Stand Up And Rise”, faixa que deu origem ao primeiro clipe da banda, dirigido pela baixista e vocalista da Nervosa. Já “Death Of Dreams” e “Leatherface” contaram com grande participação do público.

Em seguida tivemos a banda Lama Negra, com um som cantado em português focado no Thrash Metal/Crossover. Tiago Moreli (vocal), Alex Coelho (guitarra), Anderson Veiga (baixo) e Rodrigo Rossi (bateria) tiveram a árdua tarefa de superar o show da banda anterior, mas podemos dizer que conseguiram. A banda abriu o seu show com “Desgraça”, que provocou ‘mosh pits’ insanos. O show seguiu com “Ilusão” e “Insanidade”, até que Alex Coelho instigou os presentes, dizendo: “Agora é a hora em que um sai correndo atrás do outro tentando acertá-lo. Vocês sabem como isso se chama não?” e então anuncia “Vítimas”, seguida por “Degradação”, em que Alex explicou a letra “A política maldita que ferra todo mundo”. Então vieram “O Que Sobrou Do Inferno”, “Alicate De Pressão” e “Indigesto” – segundo o vocalista, “todo mundo tem um amigo indigesto”. O set se encerrou com “Rejeitado” e então a banda deixou o palco aplaudida.

Mais uma vez as luzes do Hangar 110 se apagaram e uma introdução instrumental começou a soar nos PA’s, enquanto Fernanda Lira (vocal e baixo), Prika Amaral (guitarra) e Pitchu Ferraz (bateria) foram tomando as suas posições. A Nervosa entrou em cena com a brutal “Twisted Vallues”, já com uma roda se abrindo – os que não participaram ficaram bangueando freneticamente. Fernanda agradeceu a todos e anunciou “Justice Be Done”, cujo refrão foi cantado pela grande maioria dos presentes. “Invisible Oppression” revisitou a primeira Demo da banda, lançada em 2012.

Na segunda pausa, a guitarrista Prika ressaltou a importância da presença de todos e disse: “Obrigado a todos, do fundo do coração”. O público então começou a gritar o nome da banda, algo que se tornou frequente ao longo do set, que seguiu com “Nasty Injury”, com o ‘mosh pit’ mais uma vez voltando a se intensificar. Nesta, destaque para os pedais rápidos e agressivos de Pitchu, que teve seu nome gritado por todos ao final da música. Ela se levantou e ofereceu um brinde para os fãs.

Fernanda Lira convocou a primeira participação especial, Marcello Pompeu (Korzus), que já entrou em cena inflamando o público e pedindo o “Barulho Dos Loucos”. Logicamente que a plateia respondeu e ele então pediu um espaço para falar sobre a Nervosa: “Há três anos, a Fernanda veio ao meu estúdio gravar um podcast. Ela estava triste por ter sido dispensada de uma banda, mas alguns dias depois ela me mostrou sua banda nova e eu perguntei se elas já tinham produtor. Assim começou a parceria entre o Mr. Som e a Nervosa. Três anos depois, elas já não são mais uma promessa e sim uma realidade! Heavy Metal é amar o que faz e persistir no que faz. Hoje elas estão aqui colhendo o fruto do trabalho delas e eu me sinto muito satisfeito em saber que tudo o que eu fiz em 30 anos irá continuar”. Após a declaração, Pompeu foi aplaudido e pediu a todos que fizessem o ‘símbolo do Metal’ para brindar a brutal “Into The Mosh Pit”, tendo seus vocais gritados entrando em contraste com os rasgados de Fernanda Lira. Antes de deixar o palco, Pompeu pediu ao público que aplaudisse mais uma vez as meninas.

“A próxima música é sobre políticos corruptos, é por causa deles que a nossa sociedade está uma bagunça”, disse Fernanda ao anunciar “Wake Up And Fight”. Ao final, ela diz: “É isso aí, enquanto tem gente passando fome eles fazem os seus banquetes, mas não podemos esquecer que quem está no controle somos nós”. O público voltou a gritar o nome da banda e da baterista Pitchu.

A baixista/vocalista então voltou ao microfone para agradecer e emendou um desabafo: “Obrigado a todos vocês que acreditaram na banda, que não ficam só na internet falando merda, que saem de casa para realmente apoiar e participar da cena”. Veio então a pesada “Envious”, mas no final da música a banda deixou o palco após um problema na corda da guitarra de Prika. Contornado o problema, Fernanda fez a propaganda do ‘merchan’ e brincou: “Temos bolsas, porque, queira ou não, somos uma banda de mulher, né gente?”. O set seguiu com “Time Of Death”, onde os vocais graves de Prika se casam com os rasgados de Fernanda Lira.

O segundo convidado da noite então subiu ao palco: Amilcar Christófaro (Torture Squad), e os gritos que tomaram conta do Hangar 110 foram os de “Torture Squad!”. Sem demora, veio “Morbid Courage” e, ao final, o público gritou o nome do baterista.

“A próxima faixa fala sobre você ser responsável pela suas atitudes, se você faz merda é isso que você terá em sua vida” diz Fernanda, dando a deixa para a faixa-título do novo álbum “Victim Of Yourself”. Na sequência temos “Urânio Em Nós”, a única música em português da banda até então – a baixista e vocalista mais uma vez brincou dizendo que aquela era “a balada” da banda, levando novamente muitos às risadas. E ela continuou dizendo que a seguinte elas nem precisariam apresentar. Claro, foi a vez de “Masked Betrayer”, primeiro clipe da banda e que projetou as meninas na cena do Metal mundial. Sem dúvida, a mais conhecida pelo público que cantou a letra inteira.

Antes de anunciar a próxima faixa, emocionada, Fernanda faz seu último discurso, agradecendo a presença do público, dos convidados especiais, bandas, dos amigos, familiares, parceiros e patrocinadores. “Vocês são a peça principal disso aqui”. Prika então perguntou para o público: “Estão sentindo falta de alguma música?”. A resposta veio em alto e bom som: “Death”. Ao final, a banda mais uma vez agradeceu a presença de todos e o público se amontoou na frente do palco para se despedir das meninas. Pitchu Ferraz decidiu fazer o tradicional “stagedive” e mergulhou no meio da galera, seguida por Fernanda Lira. Após serem “devolvidas” ao palco pelos fãs, elas saem de cena não tão “nervosas” mas muito emocionadas e com a certeza de que fizeram um dos maiores shows de suas carreiras.

Repetindo a frase de Pompeu é fato que as meninas já deixaram de ser uma promessa e se tornaram uma realidade da cena, uma prova disso é o numeroso público que lotou o Hangar 110, em um domingo de tarde – o evento se inicou às 14h. A banda já possui um público cativo que a acompanha e esta celebração do lançamento contou com a presença de muitos membros de outras bandas que foram lá prestigiar. De fato, há uma galera unida pela cena do Metal no país.Set List –  Leatherfaces
1- Death Of Dreams
2- Stand Up And Rise
3- Slaves Of The Lost Time
4- Satan Is Coming
5- Leatherface

Set List – Lama Negra

1 – Intro
2 – Desgraça
3 – Ilusão
4 – Insanidade
5 – Vitimas
6 – Degradação
7 – O QueSobrou Do Inferno
8 – Alicate De Pressão
9- Indigesto
10 – RejeitadoSet List – Nervosa
Intro
1 – Twisted Vallues
2 – Justice Be Done
3 – Invisible Oppression
4 – Nasty Injury
5 – Into Mosh Pit
6 – Wake Up And Fight
7 – Deep Misery
8 – Envious
9 – Time Of Death
10 – Morbid Courage
11 – Victim Of Yourself
12 – UrânioEmNós
13 – Masked Betrayer
14 – Death

Recomendamos Para Você

Veja Também

Close
Close