Edição #100

$6,15

Relação dos 100 grandes álbuns apresentados em ordem cronológica de lançamentos,tendo como ponto de partida o primeiro álbum do Black Sabbath…

Em estoque

Descrição

PERFIL DOS REDATORES

Perfil da equipe de da Roadie Crew e as respectivas listas de álbuns preferidos: Ricardo Batalha Ricardo Campos Thiago Sarkis Leandro de Oliveira Airton Diniz

ROADIE CREW EM CARTOON

Por Marcio Baraldi História da Roadie Crew descrita no Cartoon de Marcio Baraldi.

WOA-METAL BATTLE BRASIL 2007

Seletivas regionais: Varginha/MG Salvador/BA Santos/SP Porto Alegre/RS São Paulo/SP

GLOSSÁRIO

Termos usados no mundo da música

HISTÓRIA DA ROADIE CREW

Desde os tempos de criança a garotada da família se reunia na casa do tio Airton para ouvir rock, assistir e discutir futebol, e disputar concorridos campeonatos de jogo de botão (futebol de mesa). O gosto pelo jogo de bola normalmente já está no sangue de todo brasileiro, e alguns, além de curtir esse esporte, ainda têm o dom de saber jogá-lo muito bem, como é o caso do Cláudio, que chegou a ser um dos ídolos do time de juniores do Palmeiras no final dos anos 80, mas teve sua carreira prejudicada por uma das desastrosas passagens do treinador Emerson Leão pelo clube. Ao se desligar do esporte o então promissor meia-esquerda passou a estudar música com o baterista do Angra, na época o Ricardo Confessori, montou uma banda chamada Cicatrix…

100 GRANDES ÁLBUNS

Relação dos 100 grandes álbuns apresentados em ordenm cronológica de lançamentos, tendo como ponto de partida o primeiro álbum do Black Sabbath.

ÁLBUNS DE 1970 A 1975

Black Sabbath – Black Sabbath In Rock – Deep Purple…

ÁLBUNS DE 1975 A 1980

Physical Graffiti – Led Zeppelin Toys To The Attic – Aerosmith…

ÁLBUNS DE 1980 A 1982

British Steel – Judas Priest Angel Witch – Angel Witch…

ÁLBUNS DE 1982 A 1984

Creatures Of The Night – Kiss Blackout – Scorpions…

ÁLBUNS DE 1984 A 1986

Out Of The Cellar – Ratt Love At First Sting – Scorpions…

ÁLBUNS DE 1988 A 1992

Operation Mind Crime – Queensrÿche Pump – Aerosmith…

ÁLBUNS DE 1992 A 1996

Image And Words – Dream Theather Vulgar Display Of Power – Pantera.

BLIND EAR - ROOSEVELT BALA (STRESS)

Stress foi a primeira banda brasileira a gravar oficilamente um disco de Heavy Metal

EDITORIAL - EDIÇÃO DE Nº 100 - UM SABOR ESPECIAL

Esta Roadie Crew de nº 100 é, na realidade, nossa centésima primeira edição, isso porque a contagem vem desde o período em que a publicação era ainda fanzine (de nº 0 a nº 7) sendo que a primeira edição oficial foi a de nº 8. Neste mês de maio entramos no décimo ano da revista, contados a partir da primeira edição com circulação em todo o território nacional através da distribuidora Fernando Chinaglia. Chegar ao nº 100 tem um significado muito especial para toda a equipe da Roadie Crew, principalmente pelas circunstâncias que cercam a área pela qual optamos para desenvolver nosso trabalho: atuamos no ramo editorial, com uma publicação segmentada, tratando de um gênero musical fortemente agredido por preconceito, e alvo da ignorância de grande parte da sociedade. Além disso, vivemos num país onde a cultura está longe de ser prioridade dos governos e onde a condição econômica e social da grande maioria da população torna impossível que as pessoas possam ter acesso ao entretenimento, ou possam consumir produtos ligados ao mundo das artes e à riqueza do conhecimento. A luta ainda é pela sobrevivência pura e simples e, ainda assim, em condições desfavoráveis, tentando não morrer de fome ou como vítima de violência. Por tudo isso a edição 100 teria que ser especial, e ela o é na forma que escolhemos para registrar algumas matérias que sabíamos eram o anseio de grande parte dos nossos fieis leitores. Durante vários meses recebemos inúmeras sugestões para fazer uma edição comemorativa com características diferentes da publicação regular, e aqui está. O principal assunto foi concentrado em comentários dos redatores da Roadie Crew sobre cem grandes álbuns da história do Rock na sua forma mais pesada. Essa não é, e nunca poderá ser uma lista definitiva, mas é uma referência sobre grandes obras, e os álbuns listados foram objeto de grandes batalhas, pois cada um dos redatores queria inserir a sua lista preferida. Se isso fosse aceito, nossa relação teria mais de quinhentos álbuns, e ainda assim sobraria espaço para polêmicas. Então ficou dessa forma: temos os cem álbuns, registrados em ordem cronológica de lançamento, e ficamos com aquele sentimento de que muita coisa maravilhosa ficou de fora. Além dos cem álbuns trazemos também algumas seções com enfoques especiais, como o “Hidden Tracks” com o Earth, o embrião do Black Sabbath; o “Blind Ear” com o Stress, primeira banda brasileira a gravar um disco de Heavy Metal; o “Background” com a origem do termo “Heavy Metal”, e um glossário com termos freqüentemente utilizados em publicações especializadas em música pesada. Esta edição serve também como um meio de agradecermos aos nossos parceiros, anunciantes, fornecedores, colaboradores, e a todas as pessoas e entidades que nos têm apoiado nesses anos todos. Um agradecimento especial ao grande número de leitores, cuja fidelidade e suporte ao nosso trabalho tem dado forças para fazermos essa revista sempre com o mesmo prazer e dedicação. Não é por acaso que atualmente a Roadie Crew exporta matérias para importantes publicações especializadas sediadas no primeiro mundo. Graças a essa consistente retaguarda sustentada por verdadeiros amigos é que a revista Roadie Crew parte para sua segunda centena de edições buscando o constante fortalecimento do cenário do Heavy Metal. Airton Diniz

BACKGROUND - A ORIGEM DO TERMO HEAVY METAL

Controvérsia e imprecisão reinam absolutas quando o assunto é a origem do termo Heavy Metal. Depois do sucesso da idéia, todos os compartilhantes da época – final dos anos 60 – quiseram ter a honra de ser os criadores da expressão. Mas o termo já possuía um significado militar e científico, e a utilização da expressão é constatada com freqüência em diversos estudos de décadas anteriores à explosão da tendência musical..

ETERNAL IDOLS - FREDDIE MERCURY (QUEEN)

Por Ricardo Campos Freddie Mercury. Este nome se tornou sinônimo de glamour, pompa, talento, emoção, controvérsia e, principalmente, de Queen. E as missões mais difíceis e mais bem sucedidas deste incomparável vocalista foram brilhar e se destacar em uma banda cujos companheiros eram ninguém menos que Brian May (guitarra), Roger Taylor (bateria) e John Deacon (baixo), verdadeiros gigantes da música, cada um com sua personalidade e singularidade. Mas não se tratava de uma competição, apesar do tom comparativo desta introdução, e sim de uma soma como pouco se viu até hoje no mundo da música. Freddie sabia como ninguém “temperar” esta fusão, através de sua criatividade, ampla visão, carisma, astúcia, coragem e profissionalismo. Farrock Bulsara, nome de batismo, primeiro filho do casal Bomi e Jer Bulsara, nasceu a 5 de setembro de 1946 em na ilha de Zanzibar, uma colônia britânica no Oceano Índico, hoje parte da Tanzânia. Bomi era tesoureiro do governo britânico e levara sua família para habitar um local onde prevalecia uma grande miscigenação cultural com vertentes árabes, indianas e africanas. O jovem Farrock iniciou os seus estudos na Escola Missionária de Zanzibar, mas devido às constantes viagens que o cargo do seu pai exigia a família acabou se mudando para a Índia em 1951, se estabelecendo em Panchgani, localidade na região de Bombaim. Lá o garoto foi matriculado em uma escola

GARAGE DEMOS

Especial: Entrevista com Claustrofobia

HIDDEN TRACKS - EARTH

Earth, grupo que originou o Black Sabbath, precursor do Heavy Metal, foi criado em 1968 na cidade de Birmingham, na Inglaterra, sob o estranho nome de Polka Tulk Blues Band. Tudo começou efetivamente quando o vocalista John Michael Osbourne – “Ozzy Zig” (ex-The Prospectors, The Black Panthers, Approach e Rare Breed) -, o guitarrista Anthony Frank Iommi – “Tony Iommi” (ex-The Rest, The Birds And The Bees, The In Crowd e The Rockin Chevrolets) -, o baixista Terence Michael Butler – “Terry ‘Geezer’ Butler” (ex-guitarra base do Rare Breed) – e o baterista William Frank Ward – “Bill Ward” (ex-The Rest) – juntaram as forças após o grupo Mythology ter perdido o vocalista e o baterista. O quarteto rapidamente adotou o nome Music Machine e adicionou o saxofonista Alan ‘Aker’ Clark e o guitarrista Jimmy Phillips. Não durou muito para que adotassem o nome Polka Tulk Blues Band, acabando por firmar o line-up em um quarteto que ficaria mundialmente conhecido tempos depois: Ozzy, Iommi, Butler (agora no baixo) e Ward. Phillips deixou a banda e depois passou para o teclado, indo tocar em bandas como Purple Onion, Frog e Magic Roundabout.

LIVE EVIL - AEROSMITH

Por Claudio Vicentin/Fotos: Ricardo Zupa Após treze anos de ausência os americanos do Aerosmith retornaram ao Brasil e se apresentaram no Morumbi em São Paulo (SP) no último dia 12 de abril. A expectativa era boa, afinal Steven Tyler sempre foi um show à parte e estamos falando de uma das maiores bandas de Hard Rock de todos os tempos. O set list não foi dos piores, apesar de ter contado com muitas músicas mais recentes, ou seja, os hits de FM. Por causa disso faltaram algumas músicas mais clássicas como Mama Kin, The Other Side, Eat The Rich e Shut Up And Dance, por exemplo. Até aí tudo bem, porque sempre é a mesma coisa: banda clássica que conta com um repertório enorme fica complicado fazer um show que agrade a todos os presentes. O que realmente intrigou foi a performance dos músicos, que estava abaixo do que se imagina e muito aquém da apresentação de 1994, no mesmo estádio do Morumbi no festival “Hollywood Rock”. Quem estava lá sabe do que estou falando. Parecia que o Aerosmith estava no palco por obrigação e que tinham algum outro compromisso na mesma noite muito mais importante do que tocar para mais de 50 mil fãs. O intervalo de uma música para a outra era tão curto e tão frio e sem comunicação que parecia show do Ramones. Isso significa que o vocalista Steven Tyler falou poucas palavras com o público, além do show ter tido uma produção de palco foi paupérrima. Independente disso, não dá para negar que Steven Tyler continua sendo um dos grandes ícones do Hard Rock e que sua voz, independente de não ser mais a mesma, ainda está melhor do que muito vocalista novo por aí.

LIVE EVIL - ASIA

Por Ricardo Batalha/Fotos: Ricardo Zupa Reunidos para celebrar os vinte e cinco anos do lançamento do primeiro álbum, Asia (1982), John Wetton (vocal e baixo), Geoff Downes (teclado e ‘backing vocals’), Steve Howe (guitarra) e Carl Palmer (bateria) passaram pelo Brasil, tocando no Citibank Hall no Rio de Janeiro/RJ no dia 21 de março e, dois dias depois, no Credicard Hall, em São Paulo (SP). Afora a empolgação de ver a formação original do grupo, nada de anormal, só que nem o mais otimista dos fãs do Rock Progressivo que mora em São Paulo poderia imaginar que teria um fim-de-semana podendo assistir ao Asia original na sexta-feira e Roger Waters no sábado!

LIVE EVIL - ROGER WATERS

Por Claudio Vicentin/Fotos: Ricardo Zupa O grande músico Roger Waters, mais conhecido por ter sido o compositor, baixista e vocalista fundador do Pink Floyd, fez uma apresentação que ficará para a posteridade. Esta foi a sua segunda passagem pelo Brasil, sendo o único membro da “entidade Pink Floyd” a tocar por aqui até hoje. A primeira aparição ocorreu em 2002 na turnê “In The Flesh?”, que passou por Porto Alegre (RS), Rio de Janeiro (RJ), além de duas apresentações no estádio do Pacaembu, em São Paulo (SP). Desta vez, no dia 24 de março no estádio do Morumbi em São Paulo, o músico e sua banda foram ovacionados por 45 mil fãs, e o que vimos vai muito além de um simples show.

POSTER - BLACK SABBATH - O ÁLBUM

Primeiro álbm de Heavy Metal da história

ROADIE NEWS

Resumo das principais noticia do mês.

STAY HEAVY REPORT

Stay Heavy Metal Stars em São Paulo, dia 01/04/2007 Por Luciano Alemão/Fotos: Vera Diniz 2º STAY HEAVY METAL STARS: GLOBAL METAL! Os apresentadores do programa Stay Heavy, Vinicius Neves e Cintia Diniz, repetiram o sucesso da primeira edição do “Stay Heavy Metal Stars”, realizando no último dia 1º de abril em São Paulo (SP) uma enorme confraternização entre público e músicos de diversas vertentes do Metal. O Blackmore Rock Bar, localizado no bairro de Moema, estava completamente abarrotado e o calor estava passando dos limites do suportável. Mas todos estavam felizes. Afinal, os fãs tiveram a chance de ver seus ídolos tocando músicas inusitadas e em formações improváveis, como unir Hugo Mariutti (guitarra, Henceforth) e W. Perna (baixo, Genocídio) a Roger Lombardi (vocal, Sunseth Midnight), Bruno Maia (guitarra, Tuatha De Danann), Miguel Spada (teclado, MindFlow) e Fábio Moyses (bateria, Genocídio) para tocar um som do Paradise Lost num perfeito clima de festa. “O intuito do evento é este mesmo, mesclar músicos de diferentes bandas e estilos para tocar”, comentou Vinicius Neves.

Informação adicional

Peso 0.250 kg
Dimensões 28 × 21 × 1 cm
Close