Live EvilRoadie News

SEPULTURA – Porto Alegre/RS – 09 de setembro de 2018

Bar Opinião - Porto Alegre/RS

O último show do Sepultura em terras gaúchas, realizado em dezembro passado, já trazia à Porto Alegre a turnê do aclamado Machine Messiah, lançado pela Nuclear Blast no começo de 2017 e já despertando um grande alvoroço entre os fãs. Nas duas décadas de estrada com o vocalista Derrick Green, Machine Messiah é tido como um dos melhores trabalhos do grupo desde sua entrada. E para celebrar todo este tempo com o “Predador”, coube ao Sepultura prestar uma homenagem à estreia de Derrick na banda, executando três faixas de Against, lançado em 1998. Então, a receita estava pronta: músicas novas, passando pelos clássicos da fase Derrick e um punhado de faixas antigas (e obrigatórias) garantiram ao público 1 hora e meia de um autêntico rolo compressor! Produzido novamente pela Pisca Produtora e Opinião, o evento teve uma excelente pontualidade e produção.

Project 46

Para abrir a noite, às 20h, pontualmente, tivemos um dos expoentes da nova geração do Metal brasileiro em ação: Project46. Vindos de São Paulo, Caio MacBeserra (vocal), Vini Castellari e Jean Patton (guitarras), Baffo Neto (baixo) e Betto Cardoso (bateria) divulgam seu mais recente álbum, TR3S, eleito como o melhor álbum nacional de 2017 pela ROADIE CREW. A apresentação agradou até quem não conhecia a banda, mas grande parte dos presentes sabiam as letras e muitos comentaram nas redes sociais que a banda merecia um show próprio em Poero Alegre. Com uma bagagem de respeito forjada ao longo de 10 anos de estrada, em sua discografia ainda contam os discos Doa a Quem Doer, de 2011 e Que Seja a Nossa Vontade, de 2014. No set list, músicas como Terra de Ninguém, Dor, Pânico, Na Vala, Erro+55, Violência Gratuita e Tr3s entregaram ao público muita agressividade e potência. O único porém foi equalização do som nas primeiras músicas, com a bateria encobrindo os outros instrumentos, mas depois houve uma grande melhoria, destacando os riffs absurdamente pesados de Vini e Jean. No final, Caio mandou todos colocarem a raiva para fora com um sonoro “foda-se” com a música Foda-se (Se Depender de Nós) e a ovacionada Acorda pra Vida, que ganhou até um coro à la Iron Maiden devido às suas linhas melodiosas de guitarra, finalizando de forma épica mais um show vencedor em Porto Alegre.

Derrick Green

Com o clima de esporro já instaurado pelo Project46, coube à Polícia, dos Titãs, servir como intro para o show do Sepultura, que já entrou os com dois pés no peito com a curta e grossa I Am the Enemy, um dos destaques de Machine Messiah. A pegada hardcore dá a tônica na música, empolgante do início ao fim. Com o público ainda chegando, emendaram com a trabalhada Phantom Self, recheada de passagens intrincadas e grandes arranjos. Kairos, do  disco homônimo de 2011, manteve o ritmo pulsante, mas foi com as batidas tribais de Territory que o Bar Opinião veio abaixo, seguida da clássica Inner Self. Aqui cabe um parênteses para a performance cavalar do baterista Eloy Casagrande: é incrível e surreal a pegada que o outrora prodígio, agora referência, tem de seu instrumento. Se Iggor Cavalera sempre impressionou, agora cabe à Eloy manter a banda sempre em cima de sua velocidade e empolgação. Antes de seguir para o mini-especial com faixas do Against, Sworn Oath, com seu peso arrebatador e vibe progressiva, provou porque é uma das faixas mais festejadas do novo álbum, com destaque para o trabalho fantástico de Andreas Kisser.

Voltando vinte anos no tempo, em 1998 Derrick Green era “apenas” um ilustre desconhecido à frente do Sepultura, que após todo o estresse causado pela saída de Max Cavalera, teve que trabalhar duro para recuperar seu prestígio. Against marcou uma nova fase na carreira do grupo, e embora não tenha agradado uma boa parcela de seus fãs, mostrou que todas as dificuldades serviram para criarem este grande álbum, que contou com diversas participações especiais. E foi com a faixa título, seguida de Choke e Boycott que esta importante e época foi homenageada, causando, certamente, grande emoção à Derrick.

Seguindo com músicas novas, vieram Machine Messiah e a fantástica instrumental Iceberg Dances, recebidas com entusiasmo pelo público. Aliás, mesmo não lotando o Opinião, devido a diversos fatores locais e obviamente financeiros do povo, o público deu um show de empolgação, agitando em todas as faixas, abrindo rodas e cantando os clássicos à plenos pulmões. O domingo gaúcho foi marcado por um tenso Grenal e ainda havia o Acampamento Farroupilha ocorrendo na cidade, então era de se esperar um público pouco abaixo do esperado. Em meio à tudo isso, é impossível não destacar o exímio trabalho do técnico de iluminação da banda, meu conterrâneo e xará Maicon Scherer, que soube como deixar cada música com efeitos visuais matadores!

Para deleite dos fãs old school, Desperate Cry, Refuse/Resist, Arise e Dead Embryonic Cells foram tocadas com precisão e pegada absurdas, finalizando assim o set list tradicional do show, partindo para o bis com Slave New World, Resistant Parasites, Ratamahatta e Roots Bloody Roots. Como de costume, foi mais um grande show do Sepultura em Porto Alegre, tradição iniciada lá na década de 1980 na turnê do Beneath the Remains!    

Recomendamos Para Você

Close