Live Evil

THE AGONIST E SHADOWSIDE

Carioca Club - São Paulo/SP, 21 de julho de 2012

O evento prometia um show de técnica, com ingressos em setores esgotados e um encontro de ‘musas do Metal’. Bem, o que se viu foi certo desencontro de informações, confusão no horário e papéis invertidos. Explico. O primeiro show estava marcado para 18h, cedo, como é de costume nos eventos Rock/Metal do Carioca Club. Duas únicas bandas na noite, a principal entraria às 19h e seria mais privilegiada no horário. Normal até aí, não fosse a passagem de som atrasada que fez com que a programação embolasse e não tivesse começado exatamente como previsto.

Com cerca de 1 hora de atraso, os santistas do Shadowside subiram ao palco esbanjando energia e mostrando porque, com a força do novo disco, “Inner Monster Out”, ou ao vivo, vem conquistando cada dia mais fãs e se firmando como um dos grandes do Metal nacional. O show contou com a participação de Fábio Carito, novo baixista da banda, e privilegiou no set os sons mais recentes, caso de “I’m Your Mind” e “A.D.D”,  que abriram os trabalhos. O destaque, apesar de o pouco tempo de show, foi a simpatia da banda que agitou os poucos presentes. Destaque também para o vocal de Dani Nolden em faixas como “Highlight”, “Hideaway” e a melódica “Angel with Horns”, que encerrou a apresentação.

Se no show de abertura havia ainda poucos fãs, mesmo com o atraso, o cenário não mudou muito. Foi com meia pista e alguns pontos dos camarotes superiores que o The Agonist foi recebido em São Paulo em sua segunda passagem por aqui. Com a ‘intro’ de “You’re Coming With Me”, faixa de abertura do mais recente álbum, intitulado “Prisoners”, que o quinteto, já disposto atrás da cortina abriu o show. O figurino era o mesmo da foto de divulgação do novo trabalho – todos de camisetas brancas, rasgadas, com marcas de tiros e sangue.

O set foi correto, agradou os fãs e até teve poucos sons novos para o esperado para um show de lançamento. Mas o que sobrou de técnica em um show correto faltou em simpatia – algo que, reafirmo, o Shadowside esbanjou. Já havia rumores e sua postura no palco deixou claro que a beleza de Alissa White-Gluz é proporcional a sua falta de espontaneidade e interação com o público. Algo, aliás, que só o guitarrista Pascal “Paco” Jobin brincando e pulando o tempo todo, conseguiu. Era o único que parecia animadão e feliz de estar tocando ali. Alissa demonstrou irritação já no segundo som (“Thank you Pain”) quando houve problemas de retorno e seguiu durante boa parte do set. Por outro lado, a plateia estava com os sons na ponta da língua e se mostrando mesmo fiéis ao The Agonist.

Mesclando novos e antigos hits agitaram a galera com “Panaphobia”, “Ideomotor” (uma em que o público mais curtiu e ensaio até um tímido ‘circle pit’), “Born dead; buried alive” e “The Tempest”.

O show seguiu parecendo cumprir tabela com Alissa esbanjando o melhor do seu vocal, seja no gutural ou no melódico e a banda quase sem se mexer no palco, mantendo quase sempre nas mesmas marcas. Outras das novas foram destaque no set: “Lonely Solipsist”, “Predator And Prayer”, duas em que o público reagiu, agitou e cantou junto.

Para quem os viu pela primeira vez, foi um pouco decepcionante apesar das gracinhas de Paco e do ótimo desempenho ao vivo. Até o merch deles estava escondido tal o desânimo que produção e boa parte da banda demonstravam. Mesmo assim, o show teve um pouco mais de uma hora e fechou esquisito. É, no mínimo, um erro absurdo tocar dois sons novos e longos, “Dead Ocean” e “The Escape”, num bis onde se espera as músicas mais conhecidas para fechar bem e em alto astral. Saíram tão burocráticos quanto entraram e só Paco, só ele, jogou uma palheta e permaneceu no palco, mesmo com as cortinas já fechadas, conversando e agradecendo o público.

Se era a chance de um gringo nos mostrar mais que técnica, profissionalismo e competência, faltou. De longe. Se o sucesso se justifica nos detalhes, que levem na bagagem um pouco de carisma e a lição de que, apesar do público pouco, o Metal local não deixa nada a dever a nenhum europeu, americano ou canadense. Muito pelo contrário.

Set List – Shadowside:
Intro / I’m your mind
A.D.D
Highlight
My disrupted reality
Hideaway
Gag order
Waste of life
Angel with horns

Set List – The Agonist:
You’re coming with me
Thank you, pain
Panaphobia
Ideomotor
Born dead; buried alive
Birds elope with the sun
The Tempest
Lonely solipsist
Rise and fall
Martyr Art
Predator and prayer
And their elougies sang me to sleep
Business suits and combat boots
Dead Ocean
The Escape

 

 

 

 

Recomendamos Para Você

Close