Live Evil

VINNIE MOORE

Manifesto Bar - São Paulo/SP, 23 de maio de 2013

Após se apresentar com a banda inglesa UFO no Carioca Club, em São Paulo, o guitarrista norte-americano Vinnie Moore realizou uma turnê solo no país que além da capital paulista incluiu as cidades de Florianópolis (SC), Santos e Bebedouro (SP). O músico teve a companhia de um time de peso formado por brasileiros como Aquiles Priester (bateria, Hangar, Freakeys, ex-Angra), Bruno Ladislau (baixo, Andre Matos), Gustavo Carmo (guitarras, Vers’Over e House of Bones) e Fabio Laguna (teclados, Hangar e Freakeys).

A apresentação teve a abertura do guitarrista brasileiro Daniel Piquê, que lançou nos últimos anos o excelente disco Boo!. O músico tocou algumas faixas deste trabalho e conversou com o público sobre suas composições. Daniel lembrou que o álbum teve as participações de Mike Mangini (bateria, Dream Theater), Billy Sheehan (baixo, Mr. Big e The Winery Dogs) e o tecladista brasileiro Fabio Laguna. Os fãs respeitaram o brasileiro e aplaudiram durante todo o show.

Pouco mais de vinte minutos após o show de Daniel, Vinnie Moore e banda entraram no palco de forma contida, talvez pelo fato do gênero atrair um público que mais observa os músicos e seus instrumentos do que ficam agitando durante a execução das músicas e no show. Logo de cara, o guitarrista mostrou as excelentes composições “Check It Out!” e “Ridin’ High”, ambas de “Meltdown”, de 1991, porém a formação que tocou essas faixas conseguiu se sobressair e as versões ficaram muito legais. Detalhe que o som da casa estava limpo e podia-se escutar cada nota dos instrumentos.

“The Maze” foi uma das que mais animou a plateia, principalmente por causa do baterista Aquiles Priester, que tocou perfeitamente toda a música, assim como o mesmo fez em um tributo à Vinnie Moore no Youtube. Uma coisa interessante é que apesar do pouco tempo tocando junto, banda e o guitarrista estavam muito entrosados e isso ficou claro em “With the Flow” e “While My Guitar Gently Weeps” (The Beatles).

Outro destaque ficou por conta de “Saved by a Miracle” que, além de bastante técnica e pesada, trouxe um excelente solo de bateria de Aquiles Priester no meio da música – no disco “Mind’s Eye” quem fez este solo foi Tommy Aldridge (Whitesnake, Ozzy Osbourne, Black Oak Arkansas). Aquiles não só tocou o tema corretamente como incorporou seu próprio solo no show o que fez com que todos ficassem boquiabertos.

Vinnie Moore fechou a primeira parte do set com Time Traveler, Thunderball e Daydream, faixas que mostraram mais uma vez sua qualidade como músico. Após um breve intervalo, o guitarrista voltou ao palco supre bem-humorado e brincou com Aquiles Priester que não voltou para o camarim durante o bis. A banda então tocou o clássico Meltdown e uma excelente versão para Maybe I’m a Leo (Deep Purple), que segundo Vinnie Moore é de seu guitarrista favorito, Ritchie Blackmore. O tecladista Fabio Laguna cantou a faixa e mostrou desenvoltura na posição, além de brincar com o norte-americano durante os solos e passagens intrincadas.

O único ponto fraco foi o pouco público presente, algo incomum em shows internacionais no Manifesto Bar mas, talvez, por causa da quantidade de eventos no mesmo dia, Morbid Angel e Yes, além da concorrência com eventos maiores nos próximos meses, os fãs tenham preferido ficar em casa. Porém, quem foi viu o talento de músicos brasileiros, além, é claro, de Vinnie Moore, que dispensa apresentações.

Set list:
Check It Out!
Ridin’ High
The Maze
Rain
Midnight Rain
With the Flow
While My Guitar Gently Weeps (The Beatles)
Saved by a Miracle (com solo de bateria de Aquiles Priester)
Time Traveler
Thunderball
Daydream
Meltdown
Maybe I’m a Leo (Deep Purple)

 

Recomendamos Para Você

Veja Também

Close
Close